Alto Paraíso recebe tradicional Encontro de Culturas da Chapada dos Veadeiros

Festival terá extensa programação, que inclui shows musicais, apresentações teatrais e folias. Veja programação 

Dança durante edição 2016 do evento | Foto: divulgação

Há 17 anos, na segunda quinzena do mês de julho, a Vila de São Jorge, distrito de Alto Paraíso de Goiás, onde fica a entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, recebe o Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros (ECTCV). Um simbólico grito de resistência na luta pela conservação ambiental e das tradições culturais existentes no Brasil.

O evento reúne representantes de comunidades de diversas regiões do país em atividades que valorizam e celebram a cultura desses povos, assim como debatem as formas de preservá-las.

A programação conta com 15 dias de apresentações culturais, incluindo cortejos, giros de folia, alvoradas, congadas, oficinas, vivências indígenas, shows, mostras de filmes, exposições, apresentações teatrais, palestras e rodas de prosa.

Etapas e atrações

De 15 a 21 de julho, a Aldeia Multiétnica, primeira etapa do Encontro de Culturas, reúne povos indígenas de todo o Brasil para apresentações culturais e trocas multiétnicas, evidenciando suas culturas, celebrando o encontro dos povos e o fortalecimento de suas raízes. Os caciques Raoni Metuktire e Aritana Yawalapiti, duas das maiores lideranças indígenas do Brasil, participam da abertura.

De 22 a 30 de julho, representantes da cultura popular tomam as ruas e os palcos da vila de São Jorge. Entre os dias 22 e 24, a comunidade do Sítio Histórico Kalunga assume o comando das festividades com o IV Encontro Quilombola da região da Chapada dos Veadeiros e apresenta fragmentos da Festa do Divino Espírito Santo, importante festejo religioso da comunidade, além de realizar discussões referentes à saúde, educação, cultura e sustentabilidade do povo Kalunga.

Nomes como Chico César, Doroty Marques e a Turma Que Faz, Alessandra Leão e Caçapa, Conrado Pera, Silvan Galvão, Rosangela Silvestre, Mestre Solano, Passarinhos do Cerrado e o grupo Fulô da Aurora já estão confirmados.

Os grupos tradicionais veteranos do Encontro, como o Congo de Niquelândia (GO), os grupos de cultura popular do Sítio Histórico Kalunga (GO), a Caçada da Rainha de Colinas do Sul (GO), a Catira e Folia de São João D’Aliança (GO), o Terno de Moçambique do Capitão Júlio Antônio (MG) e o Tambores do Tocantins (TO) continuam a fazer parte da programação principal.

Cultura da preservação

A XVII edição do Encontro tem como objetivo fortalecer os debates em torno da sociobiodiversidade brasileira, com foco nas águas do Cerrado, abrindo novas perspectivas de uso sustentável da biodiversidade e da sabedoria popular pertencentes aos territórios das comunidades tradicionais.

Com o tema “Cerrado das Águas”, o foco é a preservação do bioma, considerado a “caixa d’água do Brasil”, pois abriga nascentes de rios que beneficiam oito das 12 grandes bacias hidrográficas do país e está em constante risco devido ao desmatamento causado pela expansão agrícola.

Além disso, as discussões abordarão a recente ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, importante conquista da região, cuja área aumentou de 65 mil hectares para 240 mil hectares em maio de 2017. O evento deste ano também marca o aniversário de 20 anos da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge (CCCJ), que o criou e realiza há 17 anos.

“Nosso propósito foi criar um território dentro do bioma Cerrado, em meio ao Planalto Central, onde povos e comunidades tradicionais tivessem a oportunidade de mostrar sua arte, beleza, tecnologias sociais, saberes, fazeres, seu patrimônio cultural tão rico”, explica Juliano George Basso, presidente da CCCJ.

Convidados

Neste ano, um dos convidados será o cacique Raoni, hoje com 87 anos, que estará presente na primeira semana do evento, chamada Aldeia Multiétnica.

Programação

Música

Chico César; Alessandra Leão e Caçapa; Doroty Marques; Mawaca; Mestre Solano – o Rei da guitarrada; Passarinhos do Cerrado; Fulô da Aurora; Silvan Galvão; João Arruda; Tambores do Tocantins; Conrado Pera; Xaxado Novo; e Cátia de França

Artes Cênicas

Teatro – Cia de Teatro Nu Escuro – Pitoresca; Musical – Turma Que Faz – Opereta da Turma (direção de Doroty Marques); Dança – Amanda Cristina e Bianca Bazzo; Dança – Rosângela Silvestre; Teatro/Circo – Cia “Tem Sim Sinhô”; e Por Acaso_Tardes de Improviso (PorQuá Grupo de Dança e Vida Seca)

Literatura

Lançamento de livro de Jarid Arraes; e Lançamento de livro “Garimpo: Uma verdade sobre a Chapada dos Veadeiros”, de Jorge Oliveira Junior

Artes Visuais

Exposição fotográfica de Diering Adler

Festas, folguedos e folias

Folia do Divino de Crixás; Caçada da Rainha de Colinas do Sul; Caretada de Paracatu; Comunidade do Sítio Histórico Kalunga; Congo de Niquelândia; e Terno de Moçambique do Capitão Júlio Antônio.

Participações indígenas (Aldeia Multiétnica)

Cacique Raoni; Cacique Aritana Yawalapiti; Fulni-ô; Guarani Mbya; Kamayurá; Kariri-Xocó; Denilson Baniwa; Kayapó/ Mebêngôkre; Representantes da etnia Dessana, do alto Rio Negro.

Deixe um comentário