O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs uma aliança global para enfrentar e combater a fome em todo o mundo nesta quarta-feira, 16, durante a 27ª conferência do clima da Organização das Nações Unidas (COP27) no Egito.

No pronunciamento, Lula ainda cobrou dos países ricos o cumprimento da promessa de recursos para enfrentamento e controle dos efeitos das mudanças climáticas nos países mais pobres. Na oportunidade, criticou o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) e assegurou que o meio ambiente será prioridade do seu governo.

A viagem ao país do norte da África foi o primeiro compromisso político de Lula ao exterior desde a vitória nas eleições deste ano. Bolsonaro não compareceu à COP27. “Este é um desafio que se impõe a nós brasileiros e aos demais países produtores de alimentos. Por isso estamos propondo uma aliança mundial pela segurança alimentar, pelo fim da fome e pela redução das desigualdades, com total responsabilidade climática”, afirmou.

Confira os tópicos abordados por Lula na COP27:

  • Criticou os gastos de trilhões de dólares em guerras, em paralelo às 900 milhões de pessoas que passam fome;
  • Cobrou dos países ricos o cumprimento dos acordos climáticos; incluindo o financiamento de ações ambientais dos países pobres;
  • Sem mencionar diretamente Bolsonaro, acusou o governo atual de devastar o meio ambiente;
  • Solicitou a inclusão de mais países no Conselho de Segurança da ONU e fim do privilégio do veto de alguns países;
  • Comprometeu que fará esforços para zerar o desmatamento no Brasil até 2030, acabando com o garimpo, mineração, extração de madeira e agropecuária ilegal;
  • Anunciou a criação do Ministério dos Povos Originários;
  • Disponibilizou o Brasil para ser sede da COP 30, em 2025;
  • Disse que o agronegócio será aliado estratégico na busca por agricultura sustentável;
  • Propôs a Cúpula dos Países Membros do Tratado de Cooperação Amazônica, com Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.