Por 5 votos a 2, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou os mandatos do prefeito de Brusque (SC), Ari Vequi (MDB), e do vice, Gilmar Doerner. Os dois foram condenados por abuso de poder econômico durante as eleições de 2020.

Os ministros da Suprema Corte tornaram inelegíveis por oito anos os dois políticos e o empresário Luciano Hang. Ele é o proprietário das lojas Havan. O Tribunal foi provado pelos partidos Podemos, PT, PSB e PV, que apontaram supostas irregularidades na disputa pela prefeitura do interior catarinense.

Dentre as acusações, os então candidatos teriam violado a legislação eleitoral. Para as siglas, Hang teria utilizado a Havan, “através de sua estrutura, seus bens, funcionários e fornecedores, em benefício da candidatura dos investigados José Ari Vequi e Gilmar Doerner”.

Por nota à imprensa, o advogado de Vequi informou que o prefeito ainda não foi notificado da decisão do TSE. A sessão ocorreu pela manhã e “logo tenha acesso aos autos, irá se manifestar sobre tal decisão”.

A assessoria de imprensa de Hang ressaltou que o empresário manifestou sua “liberdade de expressão, expondo aquilo que achava mais apropriado para que nossa cidade continuasse seguindo nesse caminho”.

Nova eleição

Com a cassação, de acordo com a legislação, os eleitores de Brusque deverão retornar às urnas. Eles terão que escolher novo prefeito e vice-prefeito. Os eleitos completarão os mandatos até o final de 2024. No entanto, ainda não há data para a realização do pleito.