A Câmara Municipal de São Francisco de Goiás, município localizado na região central do estado, aprovou nesta sexta-feira, 10, a cassação do vereador Emanoel Alves Júnior (PSDB). Durante uma sessão extraordinária que durou três horas, os vereadores decidiram cassar o mandato do parlamentar por seis votos a três. O motivo para o afastamento foi por conta do uso de dinheiro público para financiar uma festa com drogas lícitas.

Em dezembro de 2020, enquanto era presidente da Câmara, Emanoel pagou uma conta de R$ 5,6 mil com cheque da casa legislativa assinado por ele. O evento seria uma confraternização de fim de ano para 40 pessoas que ocorreu em um restaurante no município de Nerópolis. Entre os itens pagos estavam cigarros, canecas de chope, doses de uísque, garrafas de cerveja, além de drinks, incluindo caipiroscas e mojitos.

Apesar do evento ter ocorrido há mais de dois anos, a Casa tomou conhecimento da situação apenas em novembro de 2022. Dessa forma, o caso foi tratado como improbidade administrativa punível com afastamento do cargo, junto de postura incompatível com a dignidade da Câmara. Fora que a atual gestão afirmou que não compactuam com as irregularidades. 

Em contato com o Jornal Opção, Emanoel Alves Júnior afirmou que não se manifestará ainda sobre o caso, conforme orientação que recebeu do seu advogado. Ele apenas agradeceu aos moradores do município e disse que foi julgado injustamente por perseguição política. 

“Aproveito o espaço para agradecer a toda sociedade franciscana que sabe e me conhece muito bem. Fui julgado injustamente pois não bebo e nem fumo, tudo isso ocorreu por conta de questões políticas”, disse o parlamentar cassado.