A Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou neste ano 112 pregões eletrônicos para a aquisição de medicamentos, insumos e equipamentos para a saúde pública. Ao todo, graças à expertise da equipe técnica, essa iniciativa resultou em uma economia acima de R$ 60 milhões. A economia será destinada para  outras despesas públicas e investimentos.

Por conta da diferença entre os valores iniciais dos pregões eletrônicos e o efetivamente licitado, o valor que era de R$ 547,55 milhões foi reduzido para R$ 487 milhões. O novo montante foi resultado direto da avaliação dos melhores preços e da qualidade dos produtos.

“Os processos licitatórios são mecanismos legais para garantir que a administração pública, de forma transparente e imparcial, atinja seus objetivos”, conta o secretário Sérgio Vencio. “A área de licitação da SES é uma referência estadual. O alto volume de recursos economizados será essencial para viabilizar projetos importantes e de interesse público”, completa.

Segundo o superintendente de Gestão Integrada da SES, Thalles Paulino de Ávila, os pregões da Saúde representam cerca de 30% de todas as licitações estaduais. Ao todo, ele aponta que há uma média anual de 300 licitações apenas para a SES. “Isso é uma questão de zelo com o dinheiro público e agora podemos fazer investimentos em outras áreas importantes, como saúde, educação e segurança”, explica.