Com o retorno do período chuvoso, Goiânia precisa estar preparada para que as chuvas não causem os estragos igual no ano passado. Para isso, o Paço Municipal afirma que realizou intervenções em 70 dos 99 pontos de alagamento mapeados junto à Defesa Civil. Ao todo, o investimento informado foi de R$ 200 milhões.

Questionado sobre as obras de drenagem, o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana (Seinfra), Denes Pereira, garantiu que todas serão finalizadas. Segundo o titular da pasta, nenhuma pendência será deixada após o término de sua gestão. Ele também garante que essa é uma das grandes preocupações do prefeito Rogério Cruz (Republicanos).

“Não temos controle das intempéries causadas pelo período chuvoso, mas essa é uma das grandes preocupações. Temos dinheiro no caixa para finalizar as obras, segundo o secretário de Finanças (Vinícius Henrique Alves). Vamos terminar todas durante a minha gestão”, conta Pereira, em entrevista para o Jornal Opção.

O titular da Seinfra ainda destacou que não será possível realizar intervenções em todos os pontos da capital até o fim do mandato. “Isso deveria ter sido iniciado há 30 anos atrás, mas em 90 anos de cidade não tivemos um olhar crítico para a drenagem urbana. Não vai ser nesta gestão, do dia para a noite, que os problemas vão acabar”, argumenta.

Entretanto, ele garante que Goiânia não ignorará mais os problemas de drenagem e ressaltou a criação do Plano Diretor de Drenagem Urbana (PDDU). A parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG) visa auxiliar na criação de políticas públicas e deve ser concluído em até 24 meses.