Daniel Vilela: “O mais importante é que meu pai mostrou mais uma vez toda sua força. Maguito está em franca recuperação”

Presidente estadual do MDB, coordenador da equipe de transição do prefeito eleito e filho de Maguito conta que emedebista ainda não tem previsão de alta, mas se aproxima de uma “situação de lucidez”

Foto: Reprodução/Facebook

Presidente estadual do MDB e coordenador da equipe de transição em Goiânia, Daniel Vilela passou parte da terça-feira, 22, na capital e outra metade do dia em Brasília (DF). Pela manhã, o ex-deputado federal e terceiro vice-presidente nacional do partido acompanhou o prefeito Iris Rezende (MDB) na inauguração do viaduto do Complexo Viário da Avenida Jamel Cecílio. “Não é fragilidade. É uma emoção que poucas pessoas podem ter o mesmo privilégio”, descreve Daniel o choro do aniversariante Iris Rezende.

Enquanto voltava de Brasília na noite de terça-feira, Daniel conversou por telefone com o Jornal Opção. “Baleia [Rossi] é um deputado que representa um poder independente, é um político agregador. Estamos bastante otimistas e é muito importante para o partido o lançamento da candidatura do presidente nacional do MDB à presidência da Câmara.”

Confiante na recuperação do prefeito eleito Maguito Vilela (MDB), o coordenador da equipe de transição disse que o sangramento pulmonar atrasou o avanço no tratamento do pai. “Este problema trouxe um atraso na recuperação. Hoje Maguito estaria com certeza em uma fase bem mais avançada”. Mas afirma que cada novidade é comemorada. “A equipe médica não faz isso [estipular uma data de alta]. É um dia de cada vez”, pontua.

Como está a recuperação do seu pai, o prefeito eleito Maguito Vilela?
Está nesta fase de voltar a acordar, com bastante redução da sedação. Nos momentos em que Maguito fica mais acordado, o processo de fisioterapia foi iniciado. Também a fisioterapia pulmonar, onde é colocado em respiração espontânea. É ele quem controla a máquina de ventilação. Está bem próximo de uma situação de lucidez.

Há duas semanas a família tomou um susto com o sangramento pulmonar. Como foi aquele momento da necessidade de passar por dois processos cirúrgicos?
Só o médico Marcelo Rabahi ficou um pouco mais preocupado porque era quem tinha mais conhecimento da situação. Porque há uma dificuldade para identificar a razão e o local do sangramento. É preciso submeter o paciente a alguns procedimentos. Um deles é fazer um dreno. A equipe médica realizou a drenagem do sangue, mas não foi suficiente.

Várias informações demonstravam que algum problema continuava a ocorrer. Em razão destes problemas, os médicos decidiram fazer a cirurgia. O procedimento foi muito bem sucedido. Tudo realizado por vídeo. Não foi preciso fazer uma cirurgia invasiva, com abertura do tórax. Conseguiram identificar o sangramento e fazer a embolização, um procedimento para estancar o sangramento naquele vaso. Graças à Deus foi possível reequilibrar o quadro clínico do meu pai.

Este problema trouxe um atraso na recuperação. Hoje Maguito estaria com certeza em uma fase bem mais avançada. O mais importante é que meu pai mostrou mais uma vez toda sua força. Maguito está em franca recuperação. Estamos bastante otimistas.

Maguito continua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein destinada a pacientes que não têm mais o coronavírus no organismo?
Continua nesta UTI.

A equipe médica deu alguma previsão de quando Maguito pode receber alta?
Não. A equipe médica não faz isso. É um dia de cada vez. A medida que a respiração tiver evolução, a forma de usar o ventilador é alterada. A cada melhora apontada pelos exames os medicamentos são reduzidos. Depois a diálise começa a ser reduzida, porque depende muito da quantidade de remédios. Com a redução dos medicamentos, diminui também a necessidade da diálise. É uma sequência de etapas. Cada melhora é uma etapa superada.

“Só o médico Marcelo Rabahi ficou um pouco mais preocupado porque tinha mais conhecimento da situação”

“Conseguiram identificar o sangramento e fazer a embolização, um procedimento para estancar o sangramento naquele vaso. Graças à Deus foi possível reequilibrar o quadro clínico do meu pai” | Foto: Divulgação/Campanha Maguito Vilela

O sr. tem acompanhado parte da agenda de inaugurações de obras da prefeitura e de homenagens que o prefeito Iris Rezende (MDB) tem recebido. Iris tem demonstrado mais emoção neste momento de proximidade da aposentadoria da vida pública? Aquele choro na inauguração do viaduto da Avenida Jamel Cecílio na terça-feira, 22, foi um momento de fragilidade do prefeito?
Não é fragilidade. É uma emoção que poucas pessoas podem ter o mesmo privilégio.

Não fragilidade, mas um momento de maior sensibilidade por ver se aproximar a aposentadoria?
Mas também não vejo o prefeito demonstrar que tem considerado ruim a aposentadoria da vida pública. O vejo como uma pessoa que se sente extremamente realizada por tudo que fez. Iris Rezende é uma pessoa que tem o direito de receber muitas homenagens. Foi um grande realizador e o grande líder político do nosso Estado e da nossa capital.

É um privilégio para o prefeito decidir sair da vida pública no auge e ser reconhecido por tantas pessoas do cenário político e da sociedade com boa avaliação. Com seu nome registrado na história política do nosso Estado.

Na terça-feira foi dado início de fato à transição com a aprovação na Câmara da minirreforma administrativa da prefeitura. Qual a importância de criar as novas secretarias e estruturas? Como as novas pastas ajudarão na gestão da capital?
A reforma atende às necessidades apresentadas no plano de governo. Algumas áreas precisam passar por reestruturação para que sejam implantados os compromissos de campanha. Inclusive foi encaminhado o projeto do IPTU social, que precisa ser aprovado até o dia 31 de dezembro para dar tempo de ser operacionalizado para o ano fiscal de 2021. A reforma abriga aquilo que foi apresentado na campanha, com secretarias que foram prometidas para buscar a eficiência, que é o princípio das mudanças aprovadas.

Como irá funcionar a nova estrutura que fará o serviço parecido com o que a Secretaria Especial de Projetos e Captação de Recursos, criada pelo Maguito em Aparecida de Goiânia, realizou na cidade vizinha?
A Secretaria de Relações Institucionais ficará responsável por montar uma equipe de busca de captação de recursos, de interação com as entidades financeiras, com organismos nacionais e internacionais.

O prefeito de Trindade, Jânio Darrot (PSDB), disse ao Jornal Opção na semana passada que a gestão do prefeito eleito Marden Júnior (Patriota) irá criar uma subsecretaria para fazer o mesmo trabalho de captação de recursos e de projetos. Por que tantas prefeituras têm apostado neste modelo de elaboração de projetos e captação de recursos instituído em Aparecida de Goiânia?
Os prefeitos estão cada vez mais dependentes de recursos extraordinários. As suas receitas próprias não têm sido suficientes para fazer tudo aquilo que o município precisa. E precisam buscar recurso onde tem. E onde encontrar dinheiro? No governo federal. Para conseguir chegar aos recursos é preciso contar com uma equipe eficiente, com profissionais que sejam ágeis, que tenham expertise profissional para construir, apresentar, acompanhar os projetos e responder às demandas.

Quem faz isto acaba por ser bem sucedido. As cidades que têm condição de construir um time enxuto e técnico acabam por se sobressair. A secretaria criada em Aparecida de Goiânia teve um custo aproximado de R$ 20 milhões em quatro anos e captou quase R$ 1,5 bilhão em recursos do governo federal ao longo do mesmo período. É inquestionável o potencial e o quanto é positiva esta estrutura para o município.

Como está a discussão sobre a posse de Maguito ter de ocorrer até o dia 10 de janeiro pelo o que prevê a Lei Orgânica?
É uma decisão que teremos de tomar apenas no dia 1º de janeiro de 2021. A questão será resolvida de acordo com a evolução do quadro de saúde de Maguito. Mas não tem de ser obrigatoriamente até o dia 10. Tem de ser caso não tenha uma justificativa de força maior. O que existe. É público e notório.

Caso Maguito não possa tomar posse no dia 1º de janeiro de alguma forma, mesmo que seja virtual ou presencial, podemos enviar um requerimento para que a posse seja adiada até que o prefeito eleito esteja completamente recuperado. Não tem o limite do dia 10 pela questão da justificativa de força maior.

“Rogério Cruz tem demonstrado ser uma pessoa que está à altura do cargo para o qual foi eleito”

“Mesmo na transição, todas as decisões têm a participação do Rogério” | Foto: Reprodução/Facebook

Qual o nível de interferência ou acompanhamento que o sr. tem adotado com relação à eleição da presidência da Câmara de Goiânia?
Eu tenho dialogado com os seis vereadores eleitos do MDB e com outros parlamentares. Entendo que há uma questão que precisa ficar madura na Câmara. Não há qualquer preocupação em interferir na eleição da Câmara. Os vereadores saberão fazer as melhores escolhas para que a Câmara possa ser proativa, que realize seu trabalho com altivez e possa ter sinergia com os projetos do Executivo que foram apresentados na campanha e que precisam ser realizados pela prefeitura a partir do ano que vem.

Quando o prefeito Iris Rezende foi eleito em 2016, o nome do vereador Andrey Azeredo (MDB) foi cotado nos bastidores para ser o novo presidente da Casa indicado pelo prefeito. Andrey negou até o dia da eleição e se tornou o primeiro presidente da Câmara na atual Legislatura. O processo agora é parecido? O MDB desconversa sobre disputar a presidência da Casa, mas na hora da eleição pode lançar um candidato?
Não adotamos esta estratégia. Adotamos um diálogo transparente e franco com os vereadores para dar toda liberdade ao partido para que os parlamentares possam entender qual será a melhor opção para o MDB na eleição da Mesa Diretora da Câmara.

É bem provável que o vice-prefeito Rogério Cruz (Republicanos) tenha de assumir o mandato de prefeito até que Maguito esteja recuperado. Quem tem mais força na hora da montagem da equipe de secretários com Rogério como prefeito em exercício: MDB irá definir a lista do secretariado ou ficará tudo na mão do Republicanos?
Tudo tem sido construído de forma coletiva, compartilhada com a equipe de transição. A reforma administrativa foi construída da mesma forma, com a participação do Rogério. Temos um time bastante unificado com o objetivo de realizar uma grande gestão. Tudo que precisa ser feito é realizado de forma muito positiva e harmônica.

Como Rogério Cruz tem se posicionado neste momento de possível mandato em exercício da Prefeitura de Goiânia?
Com muita tranquilidade, com muita serenidade. Rogério Cruz tem demonstrado ser uma pessoa que está à altura do cargo para o qual foi eleito e da responsabilidade que tem.

Na primeira reunião da equipe de transição com Iris Rezende no Paço Municipal, houve a declaração do prefeito de que quem deveria assumir a chefia do Executivo até a recuperação de Maguito deveria ser o sr.. Houve uma rápida reação do MDB para tentar corrigir a fala de Iris. É um assunto superado ou ficou algo a ser explicado daquele episódio?
Assunto totalmente superado. Nunca foi um problema para nós. A forma que foi colocada pelo prefeito deu margem para uma interpretação que sabemos não ser possível. Não é o nosso desejo. Era mais no sentido do comando da transição. Mesmo na transição, todas as decisões têm a participação do Rogério.

O projeto de transformar Goiânia em uma cidade inteligente é uma proposta difícil de ser implantada? É de fato viável?
Não é difícil. É algo que já está implantado em muitas cidades em todo o mundo. E é um avanço fundamental para a melhoria da qualidade de vida e dos serviços públicos oferecidos para a população. Em muitas cidades, especialmente em Aparecida de Goiânia, temos o exemplo de que o modelo foi implantado. É plenamente possível. Será uma das prioridades da gestão. É algo que gera um impacto muito significativo. A cidade inteligente é uma política pública de muita importância e impacto para a população.

Por fazer parte da direção nacional do MDB e ter ido hoje [terça-feira] a Brasília, como o partido tem discutido a sucessão na Câmara e no Senado?
Não tenho acompanhado muito a discussão em relação à eleição no Senado. Estive hoje com o deputado federal Baleia Rossi (SP), presidente nacional do MDB. Baleia deve ser anunciado na quarta-feira, 23, como candidato a presidente da Câmara. Estamos muito otimistas.

Candidato com apoio do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ)?
Exato. Com apoio bem abrangente na Casa. Baleia é um deputado que representa um poder independente, é um político agregador. Estamos bastante otimistas e é muito importante para o partido o lançamento da candidatura do presidente nacional do MDB à presidência da Câmara dos Deputados.

É uma eleição que será disputada com partidos bem rachados, que declararam apoio ao grupo de Rodrigo Maia, agora com Baleia Rossi, mas com deputados que podem votar em Arthur Lira (PP-AL) durante a votação secreta. O MDB tende a votar unido?
São traições que ocorrem dos dois lados. Mas o partido sim. O MDB seguirá unido na votação. O partido é muito fechado. Baleia é o líder. É nosso presidente.

“Iris Rezende é uma pessoa que tem o direito de receber muitas homenagens. Foi um grande realizador e o grande líder político do nosso Estado e da nossa capital”

“É um privilégio para o prefeito decidir sair da vida pública no auge e ser reconhecido por tantas pessoas do cenário político e da sociedade com boa avaliação. Com seu nome registrado na história política do nosso Estado” | Foto: Jackson Rodrigues/Prefeitura de Goiânia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.