A Polícia Federal (PF) encontrou na residência do ex-ministro da Justiça Anderson Torres a minuta de um decreto que serviria para o então presidente Jair Bolsonaro (PL) declarar estado de defesa na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Tal medida seria inconstitucional. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira, 12.

O objetivo, conforme o texto obtido pelo veículo, seria reverter o resultado do pleito de 2022, do qual Lula (PT) saiu vencedor no segundo turno contra Bolsonaro. O documento, segundo o jornal, foi encontrado em um armário de Torres durante ação de busca e apreensão realizada pela PF na última terça-feira, 10.

Anderson Torres, que segue nos Estados Unidos, é alvo de uma ordem de prisão por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.

A decisão foi publicada na última terça, dois dias depois de bolsonaristas praticarem atos de terrorismo em Brasília. Horas depois de divulgada a ordem, Torres disse que interromperia as férias e voltaria a Brasília.

Na manhã da última quarta, a queda de um dos sistemas de controle aéreo dos Estados Unidos cancelou temporariamente todos os voos saindo dos aeroportos do país. Nas horas seguintes, as operações foram gradativamente retomadas, mas o problema foi usado como justificativa para Torres adiar o retorno.

O despacho de Moraes, chancelado pelo plenário do STF, atendeu a um pedido da PF. O documento menciona “descaso e conivência” de Torres “com qualquer planejamento que garantisse a segurança e a ordem no Distrito Federal”.