Mais de cinco mil pessoas compareceram à Praça da Igreja Matriz de Campinas em Goiânia para o 21º Encontro de Folia e 7º Encontro de Catira, realizado pela Prefeitura de Goiânia. O evento reuniu 29 grupos de Folia de Goiânia e várias cidades do interior de Goiás, além de dois grupos de catira e duas orquestras de violeiros. Neste ano, os encontros trouxeram o tema “O Presépio: Berço do amor”, com a intenção de que as pessoas levem para o ano todo o verdadeiro sentido do Natal.

Para o capitão da Companhia de Reis do Jardim das Aroeiras, Miguel Prudêncio Vilela, vivenciar o encontro é motivo de emoção. “Desde quando começou, o nosso grupo participa. Desta vez, viemos em 25 pessoas. Minha folia é uma escola e nós ensinamos aos jovens e passamos a tradição de geração para geração. Temos que ensinar para as crianças e seguir em frente”, ressaltou.

Foto: Secult Goiânia

Quem também não perde um ano da Folia de Reis é o casal Valter Machado e Cláudia Alves. Eles marcam presença com a família toda. “Faz parte da nossa cultura, aprendi a gostar com meu pai. Temos que manter viva essa tradição tão bonita”, afirmou Valter.

Moradora de Campinas desde a adolescência, Wanda Gomes acompanha a Folia de Reis desde as primeiras edições do encontro. “Eu tenho 73 anos e minha vida é aqui na Campininha. Ver todo esse povo aqui, tantas folias, lembro do meu pai, dos meus avós. É realmente muito lindo”, contou a aposentada.

Foto: Secult Goiânia

Além das folias, os grupos de catira também são tradição no evento. Coordenadora do Grupo de Catira Nunes, Nayara Nunes agradeceu a oportunidade de estar no encontro. “Já tem 25 anos que temos o grupo e fazemos por amor, por paixão, e nosso maior objetivo é não deixar a nossa cultura morrer. Que bom termos apoio público para isso”, declarou.

Folia de Reis

A Folia de Reis é uma festa e tradição popular católica muito celebrada em alguns estados do Brasil, como Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Ceará e São Paulo. Também conhecida como Reisada ou Festa de Santos Reis, a festa ocorre entre os dias 24 de dezembro, véspera de Natal, e 6 de janeiro, Dia de Reis. Relembrando a visita dos reis magos ao menino Jesus, a festividade engloba músicas, orações, danças, roupas, acessórios e muitas comidas típicas em toda a sua realização.

Foto: Secult Goiânia

Há estudiosos que defendem que a celebração tenha chegado ao Brasil ainda durante o período de colonização. Dessa forma, a Folia dos Reis pode ter sido usada como forma de catequização dos povos indígenas. A festa remonta à visita dos reis magos ao menino Jesus. De acordo com a bíblia, após seu nascimento, Jesus recebeu a visita de três reis magos: Gaspar, Melchior (ou Belchior) e Baltazar. Na visita, cada rei trouxe um presente — ouro, que representava beleza; incenso, para divindade e fé; e mirra, para a imortalidade.

Catira

Catira ou cateretê é uma dança do folclore brasileiro, em que o ritmo musical é marcado pela batida dos pés e mãos dos dançarinos. De origem híbrida, com influências indígenas, africanas e europeias, a catira tem suas raízes em Goiás, norte de Minas e interior de São Paulo. A coreografia é executada, na maioria das vezes, por homens e pode ser formada por seis a dez componentes e mais uma dupla de violeiros, que tocam e cantam a moda.

É uma dança típica do interior do Brasil, principalmente na área de influência da cultura caipira (São Paulo, norte do Paraná, Minas Gerais, Goiás e partes do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul). A coreografia da catira é quase sempre fixa, havendo poucas variações de uma região para outra. Normalmente é apresentada com dois violeiros e dez dançadores.

Leia também: