O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta quinta-feira, 9, dados referentes ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de janeiro.  Em seu quarto mês consecutivo de alta, o percentual apresentado foi de 0,53%. O número, no entanto, é menor do que o exposto em dezembro, onde a taxa foi de 0,62%.

Ao todo, nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 5,77% ante 5,79% observados nos 12 meses anteriores. Em janeiro de 2022, a variação havia sido, de acordo com o levantamento, de 0,54%.

O maior impacto observado no presente mês está voltado ao setor de alimentação e bebidas, com 0,59%. Em seguida, está o grupo de transportes, com 0,55%. Eles contribuíram, de forma respectiva, com o aumento de 0,13 p.p e 0,11 pp. Já a maior variação está no setor de comunicação, com 2,09%. 

O grupo de vestuário, por sua vez, apresentou variação negativa de -0,27%. O grupo de saúde e cuidados pessoais também ficou abaixo do registrado em dezembro, com percentual de 0,16%, uma taxa de 1,60%. Já nas áreas de habitação e despesas pessoais, a taxa é de 0,33% e 0,76%, respectivamente.

O IPCA se refere, conforme o IBGE, às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília. A capital goiana se encontra na 12ª posição no relatório, com peso regional de 4,17% e variação de 0,24%.

Alimentação e Bebidas

No grupo de alimentação e bebida, houve, de acordo com a análise, aumento nos preços da batata-inglesa (14,14%), do tomate (3,89%), das frutas (3,69%) e do arroz (3,13%), referentes à alimentação em domicílio. Fora do domicílio, a maior contribuição (0,02 p.p.) veio do lanche (1,04%). 

A refeição, por sua vez, teve alta de 0,38%, acima do mês anterior (0,19%). Os preços de refrigerantes e água mineral (0,81%) e a cerveja (0,43%) também subiram. O relatório destaca, entretanto, queda em componentes importantes, como a cebola (-22,68%), o frango em pedaços (-1,63%) e as carnes (-0,47%). 

Transporte

Na área de Transportes, os combustíveis tiveram alta de 0,68%, puxados, conforme o relatório, pelo aumento nos preços da gasolina (0,83%) e do etanol (0,72%). Já  o óleo diesel (-1,40%) e o gás veicular (-0,85%) tiveram queda em janeiro. Outros destaques estão voltados para os subitens emplacamento e licença (1,60%), que incorporou pela primeira vez a fração mensal referente ao IPVA de 2023, e automóvel novo (0,83%). 

Comunicação

Já em comunicação, o impacto veio dos subitens tv por assinatura (11,78%) e combo de telefonia, internet e tv por assinatura (3,24%), que contribuíram com 0,09 p.p. no IPCA de janeiro. Conforme a análise, também houve alta nos preços dos aparelhos telefônicos (0,44%) e nos serviços de acesso à internet (2,09%).