A deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (PL-SP) sacou uma arma e apontou para pessoas neste sábado, 29, em São Paulo. A atitude da parlamentar gerou correria no cruzamento das alamedas Joaquim Eugênio de Lima e Lorena.

O caso aconteceu na região próxima de onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realiza um ato de campanha. A deputada bolsonarista publicou um vídeo em seu Instagram em que afirma ter sido agredida. A deputada disse que correu atrás do homem com uma arma pois ele “evadiu”.

Segundo informações publicadas pelo jornal O Globo, ela afirma ter pedido para ele esperar ela chamar a polícia e “dar flagrante”. Zambelli disse que foi também agredida verbalmente e cuspida pelo homem que ela apontou a arma. Em vídeo de quase quatro minutos, Zambelli afirma que teve seu número tornado público ontem e diz que passou a receber ameaças de morte.— Fui agredida agora pouco. Me empurraram no chão, um homem negro. Eles usaram um negro para vir em cima de mim, eram vários — relatou a parlamentar ao lado de policiais.

Alegação de agressão

Carla Zambelli chegou a gravar um vídeo em suas redes sociais, em que narra ter sido agredida com empurrão que a teria feito cair. Ela também alega que foi cercada por homens, enquanto um deles teria cuspido em seu rosto e lhe feito xingamentos. No vídeo, ela aparece ao lado de policiais e afirma que irá à delegacia fazer o registro de ocorrência.

Veja

Outra imagem

Outro vídeo que circula em redes sociais mostra um momento diferente da confusão. Nessas imagens um grupo de homens circula ao redor de Zambelli e ela cai. “Xingou de boiola”, acusou um deles. Ela levanta e começa a correr atrás de dois dos homens, enquanto um deles saca uma arma e é possível ouvir um som que seria de um disparo, enquanto mais ofensas são trocadas. “Chama a polícia”, grita uma pessoa ao redor. Zambelli continuou correndo atrás de um dos homens, o que entra no bar procurando abrigo.