Ditadura é sempre brutal e, insista-se, não há ditadura boa ou mais menos. Toda ditadura é ruim

Quando presidente da República, o general Castello Branco esteve certa vez em Goiânia. Ele tinha decretado intervenção em Goiás, de forma muito arbitrária (teria sido pressionado pela linha dura do general Costa e Silva).

Quando chegou, no Aeroporto Santa Genoveva, com sua fisionomia muito feia, o falecido jornalista Jorge Abrão tentou se aproximar, microfone na mão, e foi brutalmente interditado por um segurança.

Costa e Silva e Castello Branco: a ditadura foi ruim com os dois | Foto: Reprodução

Certa vez, em Lisboa, na festa do padroeiro da cidade, Santo Antônio, dia 13 de junho, tive a oportunidade de assistir. E notei que a polícia tratava o povo com brutalidade. Era ainda a ditadura salazarista.

Entre 1967 e 1974 a Grécia viveu sob a ditadura dos coronéis. Estive lá pouco depois que a ditadura terminou. Mas a polícia continuava praticando brutalidade.

Ditadura é sempre brutal e, insista-se, não há ditadura boa ou mais menos. Toda ditadura é ruim.