Augusto Frederico Schmidt foi poeta da segunda geração do Modernismo. Seus principais livros são “O Galo Branco” e “Estrela Solitária”, ambos publicados na década de 1940.

Em 1930, o editor-empresário fundou a Schmidt Editora, que publicou os primeiros livros de Graciliano Ramos, Vinícius de Moraes, Gilberto Freyre, Rachel de Queiroz e Jorge Amado.

O poeta também atuou na política. Ele e Adolpho Bloch disputaram quem era o maior admirador de Juscelino Kubitschek. Digamos que os dois atuaram em trincheiras diferentes defendendo o governo JK. Bloch abriu espaço na sua revista “Manchete” para divulgar Brasília enquanto Schmidt assessorava diretamente o presidente propondo ideias para o governo.

Juscelino Kubitschek e Augusto Frederico Schmidt: o político e o poeta | Foto: Reprodução

Durante a campanha presidencial de 1955, ele criou o slogan “50 anos em 5”, que foi uma marca da candidatura de Juscelino Kubitschek.

Com a vitória de JK, Schmidt foi colaborador direto do presidente redigindo discursos e sendo assessor da Presidência para assuntos internacionais. Foi nesse cargo que Schmidt propôs a Operação Pan Americana.

A ideia era o combate à miséria como forma de impedir o avanço do comunismo na América Latina. A operação foi inspiração para o presidente norte-americano John Kennedy implementar em seu governo o programa Aliança para o Progresso.

O poeta foi entusiasta do golpe de 1964. Porém, como muitos que também apoiaram a deposição de João Goulart, ele se decepcionou com os rumos do novo governo. Quando o ex-presidente Juscelino Kubitschek foi cassado, Schmidt disse que foi injusto e imperdoável.

Augusto Frederico Schmidt morreu em 8 de fevereiro de 1965.