A Revista de Domingo, do “Jornal do Brasil”, de 14 de junho de 1964, trouxe a seguinte nota na coluna ‘Gente Nova’ de Carlos Eduardo: “Poucos sabem que o famoso conjunto dos Beatles quando começou a fazer sucesso era integrado por cinco membros. Passaram a quatro devido a morte de Pete Best que um dia após uma exibição sofrendo vertigens foi internado vindo a falecer mais tarde. Tinha um tumor no cérebro.”  O colunista confundiu os personagens. Não foi Pete Best que morreu de tumor cerebral, mas sim Stuart Sutcliffe, o primeiro baixista dos Beatles. Ele morreu em 1962, de fato, de tumor cerebral. Best continua vivo e hoje, dia 24 de novembro, completa 82 anos. Desde essa época os Beatles já tinham uma ligação com a Índia já que seu primeiro baterista nasceu em Chennai, cidade indiana.

Naquela época, as informações vindas dos Estados Unidos ou da Europa demoravam um pouco para chegar ao Brasil, por isso a falha do colunista do JB. Mas ele está certo ao citar Pete Best como um dos integrantes dos Beatles. De 1960 até 1962, as baquetas estavam em suas mãos. Ele conheceu John Lennon, Paul McCartney e George Harrison em Liverpool quando a banda precisava de um baterista para acompanhá-los na turnê em Hamburgo (Alemanha). Essa temporada pelas noites alemãs fez com que os Beatles amadurecessem e desenvolvessem habilidades musicais que lhes seriam caras anos depois.

A relação de Pete Best com a bateria tem influência da sua mãe Mona. Ele queria montar uma banda de rock e sua mãe lhe presenteou com uma bateria. Pouco tempo depois, Best reuniu alguns amigos e fez o grupo “The Black Jacks”. A mãe de Best abriu um bar em Liverpool chamado The Casbah Coffee Club. Os Beatles e outras bandas de rock bateram o ponto no bar.

Os Beatles começaram a tocar no Cavern Club, também em Liverpool, com a formação vinda de Hamburgo: John, Paul, George e Pete. A banda era um sucesso e já tinha fã-clube, mas isso apenas não bastava. Era preciso gravar um disco. Com Brian Epstein empresariando, os Beatles conseguiram uma audição na Decca Records, em 1962. Eles gravaram 15 músicas, mas os diretores da gravadora não animaram muito. Epstein não desistiu e logo conseguiu outra audição na gravadora EMI. Dessa vez deu certo e o produtor George Martin gostou de quase todos os integrantes dos Beatles. Pete Best não se saiu bem na audição. O jeito foi demitir o baterista. A missão de informar à Best que ele tinha que sair dos Beatles coube a Brian Epstein.

Apesar da demissão, Pete Best ainda era querido pelos primeiros fãs dos Beatles. Quando Ringo Starr foi contratado e a banda tocou no Cavern, vaias foram ouvidas e gritos de “Pete is the best”. Imagine o que passou na cabeça do primeiro baterista dos Beatles quando viu o sucesso mundial da banda. Ele participou de outros grupos musicais, mas nada igual o grupo que ele fez parte entre 1960 e 1962. Pena que pouca gente saiba disso.