Márcio M. Cunha
Márcio M. Cunha

Mesmo com a vacina, Justiça virtual deve continuar em 2021

Operador do direito passou a utilizar meios eletrônicos para trabalhar da melhor forma possível e avançar na aplicação de ferramentas digitais para a advocacia e seus clientes

A viabilidade do “novo normal” no ambiente jurídico impactou diretamente o judiciário em 2020 e mesmo com a iminente vacinação em 2021, essa prática deve permanecer no próximo ano.

Em 2020 o atendimento presencial ficou a desejar, mesmo entendo as dificuldades impostas pela pandemia, embora o processo judicial eletrônico (PJe) esteja totalmente adaptado para a demanda 100% virtual, assim, a realidade do isolamento social prejudicou as tarefas mais simples;  advogados e partes foram os que mais amargaram essas adversidades.

A pandemia de covid em 2020 acelerou em todo o globo a justiça digital, que ainda poderia demorar anos: a digitalização dos ambientes de trabalho. No mundo jurídico, essa mudança tem agravantes particulares, sobretudo no Brasil, onde a necessidade de uma migração completa esbarra em dificuldades do próprio modelo eletrônico de processos nos tribunais, bem como na falta de previsões legais para atuação virtual.

O operador do direito passou a utilizar meios eletrônicos para trabalhar da melhor forma possível e avançar na aplicação de ferramentas digitais para a advocacia e seus clientes.

Se por um lado o processo judicial eletrônico (PJe) ainda não estava totalmente adaptado para a demanda 100% virtual, a realidade do isolamento social exige uma adaptação integral para um modelo não presencial. Para isso, o sistema de Justiça e a sociedade civil organizada devem constantemente buscar soluções urgentes para 2021, de forma com que as pessoas que precisam ver seus imbróglios judiciais resolvidos.

Apesar dos obstáculos, a magistratura, o parquet e a advocacia experimentaram em 2020 uma chance de expandir as possibilidades de apresentação e defesa de teses e argumentos dentro do processo. A exemplo disso, a sustentação oral feita pelos advogados possibilitou o dos recursos visuais e tecnológicos para passar de forma mais eficiente a mensagem e o conteúdo da defesa.

É preciso, no entanto, que em 2021 os próprios advogados se atentem às oportunidades e se preparem de forma a utilizar melhor essas ferramentas, mesmo que, historicamente, a profissão se apegue aos modelos tradicionais de atuação.

Durante as audiências e sessões, que já migraram integralmente ao ambiente virtual, é possível aproveitar ferramentas que, de forma presencial, não seriam possíveis, como a utilização de “outras telas” transmitindo, por exemplo, slides com gráficos e citações que podem ser acompanhadas pelos magistrados no vídeo e no PJe.

É claro que objetivo primário da possibilidade de sustentação oral por videoconferência é garantir o direito de ampla defesa e contraditório sem colocar em risco a saúde das partes e seus advogados, bem como contribuir para o isolamento social geral da população. Contudo, isso não impede que, durante esse período, os avanços sejam percebidos.

Abrindo a possibilidade, por exemplo, de trazer gráficos com a linha temporal dos fatos ou tabelas gráficas que ilustrem os números e argumentos utilizados na sustentação feita pelo advogado, a chance de convencimento pela lógica se torna ainda maior.

Apesar dos cinco Tribunais Regionais Federais (TRFs) terem emitido resoluções que tratam da sessão em ambiente eletrônico e de algumas regras para sustentação oral, as formas e limites das utilizações desses recursos ainda carecem de maiores discussões. No Supremo Tribunal Federal (STF), a primeira sustentação oral por videoconferência da história da corte já completou mais de 6 meses, sem que fossem explorados, entretanto, recursos eletrônicos para convencimento dos ministros.

Acredita-se que com o êxito das autoridades sanitárias e a superação da atual crise sanitária, diversos aspectos da vida cotidiana não retornarão ao que eram antes da covid-19. Empresas que detinham escritórios físicos e perceberam ganho de produtividade de suas equipes durante o isolamento, provavelmente não voltarão a pagar aluguéis no centro das cidades. O mesmo pode acontecer no sistema de Justiça, que tende a observar economia de gastos na utilização de estruturas digitais para realização de sessões ao invés de unicamente presencial.

Caso esse “novo normal” realmente se confirme no modus operandi do mundo jurídico, os operadores do direito que melhor se adaptarem ou que primeiro o fizerem terão maiores chances de apresentar para seus clientes os melhores resultados.

Cabe, no entanto, que as entidades ligadas ao sistema de Justiça, dentre elas a própria OAB, lutem por melhorias estruturais, como a oferta de melhores condições e acesso a serviços de internet banda larga e telefonia e uma melhor regulamentação quanto ao atendimento físico em 2021, considerando que procedimentos que necessitavam da presença física ficaram a desejar em 2020, mas com boa vontade podem ser resolvido, haja vista, que alguns exemplos podem ser seguidos, pois alguns gabinetes de Ministros e Desembargadores não interromperam o atendimento presencial e dessa forma garantiram um mínimo de presença de servidores como forma assegurar p acesso à justiça quando não é possível por meios eletrônicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.