Hélio Rocha
Hélio Rocha

O acidente do césio 137 e o Dia do Apocalipse: 33 anos

Goiás e os goianos foram discriminados. Chacrinha e Fernando Collor foram duas exceções

Neste setembro completam-se 33 anos da dolorosa tragédia sofrida por Goiânia em 1974, quando ocorreu o Dia do Apocalipse da cidade, ou seja, a data do acidente radioativo com o césio 137.

Goiânia sofreu uma onda de discriminação, mas também algumas manifestações de solidariedade, entre as quais a de Chacrinha. Ele veio a Goiânia para aqui gravar um programa.

Muito diferentemente de Chacrinha agiu o na época presidente da República, José Sarney, que ficou indiferente à tragédia. Ele foi um presidente terrivelmente ruim. Pobre do povo do Maranhão, onde há décadas manda o clã Sarney. Esse Estado se tornou o mais atrasado do Brasil.

Houve algumas outras manifestações de solidariedade, entre as quais a da atriz Betty Faria e a do então governador de Alagoas, Fernando Collor. E, depois de muito sofrimento da população, uma campanha de apoio, com uma música que se tornou bastante cantada, “Eu Amo Goiânia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.