O retirante que deseja ser eterno: a história de Ageu Cavalcante

Biografia mostra que há dois magos: o do diálogo, como diz o título, e a da narrativa, a jornalista Carla Monteiro

Nilson Gomes

A jornalista Carla Monteiro lança na quarta-feira, 16, no Palácio das Esmeraldas, o livro “Ageu Cavalcante: Mago do Diálogo”. É uma história como tantas, de um imigrante que veio do Piauí para Goiânia e se deu bem. A diferença está no talento de Carla para narrar e na habilidade de Cavalcante para articular politicamente: chegou a vereador e sindicalista com diversos mandatos. A obra tem o prefácio do governador Marconi Perillo, que vê o biografado “no hall dos grandes nomes de Goiás”. O texto de Marconi resume o volume e a trajetória em dois tuítes:

1 — “Ageu chegou aqui aos 18 anos, trazendo consigo apenas o sonho de vencer na vida.”

2 — “Descobriu que a maior riqueza de um homem é o respeito de seus amigos.”

Além de Marconi (juntos se filiaram ao PSDB em 1995), Ageu cruzou o seu caminho com o de diversos outros personagens da política goiana. Sua versão dos acontecimentos está no livro, após entrevistas da autora com políticos como os petistas Marina Sant’Anna e Pedro Wilson. Carla dá detalhes de articulações da Câmara de Goiânia, na qual Ageu ficou por duas décadas, como a que livrou de investigações o então prefeito Daniel Antônio na intrincada sucessão do governador Iris Rezende (hoje prefeito de Goiânia) nos anos 1980.

Também está no roteiro a ministra do Tribunal Superior do Trabalho Delaíde Arantes, que trabalhou com Ageu no Sindipetro (a entidade que reúne os empregados em postos de combustíveis) e lhe entregou a carteira da OAB há 30 anos.

De Corrente, sua cidade natal, Ageu trouxe os ensinamentos do pai, João Lemos Paraguassú, como “jamais morder as mãos de quem as estende para você” — ou tu, em bom nordestinês. Carla revela que Ageu pronunciava para si mesmo um mantra antes de escrever as proposições no Legislativo: “Me dê sentido e me afaste do absurdo”. São palavras em falta atualmente — falta, inclusive, de sentido.

Carla dedica as últimas 90 páginas do livro de 340 a fotos e láureas de Ageu, que é até nome de rua (na Vila Maria, em Aparecida). Volta a cada dois meses a Corrente e, no ano passado, quase que o retorno foi triunfal: líderes locais o queriam candidato a prefeito. Recusou. Por um mínimo Carla não faz a biografia de um prefeito do Sul do Piauí, o que reduziria o alcance: Ageu é muito mais do que isso, pois suas mágicas ao dialogar o levaram ao centro da política no Estado de Goiás. Mas, se tivesse sido candidato e eleito, Carla noticiaria os programas recém-lançados pelo prefeito: o livro é tão atualizado que ela noticia até a morte de um tio de Ageu, em junho passado.

Ageu é um bom papo e Carla deve ter se deliciado com essas conversas no convívio para redigir o livro, inclusive na recente viagem a Corrente, já neste ano, que rendeu boas imagens editadas no livro. O ex-vereador ganhou na rifa ao vir para Goiânia e na Mega Sena acumulada quando sua história caiu nas mãos de uma grande profissional: trata-se de uma jornalista de primeira grandeza, ótima para investigar, excelente em pautas, enfim, o apogeu para alguém que buscou o ápice na política e o alcançou na escolha da autora de seu volume biográfico.

No livro, Carla conta que “Ageu nutre o desejo de ser eterno, pois tem pânico da morte”. Acaba de conseguir o improvável intento: nas prateleiras de Goiás haverá sempre a obra de Carla com seu retrato na capa, sorridente, recebendo uma comenda.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antônio Dirceu Pinheiro

Onde consigo comprar o livro?