Euler de França Belém
Euler de França Belém

O Popular publica reportagem sensacional de mulher de rua que é leitora voraz

Reprodução

Reprodução

A repórter Andréia Bahia, de “O Popular”, escreveu uma das mais belas reportagens dos últimos tempos, “Era uma vez uma Aline”. Parece mesmo um conto de fadas. Aline tem 31 anos, mora nas ruas e é uma leitora voraz de bons e maus livros (dos listados pela repórter, o único de qualidade é “Stálin, os Nazistas e o Ocidente”, do historiador britânico Laurence Rees).

Aline é mãe de dois garotos, que moram com uma tia, e pretende estudar arquitetura. Será bancada por Miguel Tomaz Menezes, ex-bancário e psicólogo. Nas ruas, nos lugares onde trafega, é querida e respeitada, sobretudo pela educação.

A história em si é bela e Andreia Bahia a conta com rara sensibilidade. A repórter, uma das mais gabaritadas da imprensa goiana, deveria transformá-la em livro. Vale a pena acompanhar Aline e registrar sua vida de maneira mais nuançada, exibindo inclusive suas possíveis contradições, não para execrá-la, e sim para torná-la mais humana, como todos nós — com defeitos e virtudes. Os seres humanos ficam mais ricos com suas contradições reunidas e apresentadas. (“O Segredo de Joe Gould”, de Joseph Mitchell, pode inspirar a repórter.)

Como se trata de uma reportagem sensacional, com uma história muito bem contada, fica até chato apontar alguns erros. Mas, como a coluna tem o nome de Imprensa, devo apontar algumas falhas, nada graves.

Na primeira página, um título falso induz o leitor a pensar que Aline é uma criança ou adolescente: “A menina de rua que devora livros”. Na verdade, trata-se de uma balzaquiana de 31 anos. Portanto, não é uma menina. Na legenda, há pelo menos dois erros. Primeiro, o editor escreve “Stlálin”, e não Stálin. Segundo, informa que Stálin é um tema que a fascina, quando a reportagem sugere que o tema que a fascina é a Segunda Guerra Mundial.

Contrariando a reportagem, a capa comete outro erro: o editor escreve que o livro de Marion Zimmer Bradley é “Brumas de Avalon”, excluindo o artigo “as” (“As Brumas de Avalon”).

A reportagem não sugere que a “compulsão pela leitura chega a ser maior que o vício pelo crack”, mas quem escreveu o texto da capa pensa assim. O editor da primeira página frisa que Aline é “invisível” nas ruas. O que a reportagem prova é que, ao contrário de outras pessoas que vivem nas ruas, Aline nada tem de invisível.

A impressão que se tem é que quem escreveu a chamada da capa ficou com preguiça de ler a fantástica reportagem de Andréia Bahia.

Problemas na reportagem

Enumero, a seguir, os problemas da reportagem. O primeiro erro resulta mais de imprecisão: “pegar títulos emprestados”. É mais adequado ou coloquial escrever assim: “Pegar livros emprestados”. É muito difícil alguém dizer, referindo-se a livro, que pegou um título emprestado.

O segundo erro está no título do livro de Laurence Rees: “Stalin, os Nazistas e o Ocidente”. A sugestiva fotografia da primeira página, feita por Zuhair Mohamad, exibe a capa do livro com acento agudo em Stálin.

O terceiro erro indica uma vírgula passando: “Ela se lembra do primeiro livro que leu, ‘As Brumas de Avalon’, (de Marion Zimmer Bradley), ‘mas estou aprimorando meu gosto’.” O texto funciona melhor assim: “Ela se lembra do primeiro livro que leu, ‘As Brumas de Avalon’ (de Marion Zimmer Bradley), ‘mas estou aprimorando meu gosto’”. Ela é leitora de Augusto Cury, Laura Gallego García e Paulo Coelho.

O quarto erro parece ser típico dos tempos modernos, que excluem os artigos como se fossem descartáveis: “Thiago Terranova chama atenção para generosidade de Aline”. Com o artigo “a” fica assim: “Thiago Terranova chama atenção para a generosidade de Aline”. A redação da reportagem não esclarece se Thiago Terranova é o farmacêutico que ajuda Aline.

O quinto erro tem a ver com acentuação: “Miguel aguarda que Aline faça a matricula”. No caso, é matrícula. Faltam três vírgulas noutros trechos da reportagem e há repetições de palavras, mas não vale a pena macular a sensacional reportagem do “Pop”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Adalberto De Queiroz

Havia lido e amado o texto, sem me deter na revisão meticulosa que aqui se vê.