Euler de França Belém
Euler de França Belém

Cinema americano simplifica e até distorce a Segunda Guerra Mundial

Os soviéticos foram decisivos para a vitória dos Aliados, mas seus combates e vitórias são praticamente ignorados pelo dominante cinema dos Estados Unidos

O in­glês-polonês Nor­man Da­vi­es é um dos mai­o­res his­to­ri­a­do­res da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, o que fi­ca pro­va­do por seu se­gun­do li­vro pu­bli­ca­do no Bra­sil, “Eu­ro­pa na Guer­ra — 1939 e 1945” (Re­cord, 599 pá­gi­nas, tra­du­ção de Vic­tor Pao­loz­zi). Leio de for­ma idi­os­sin­crá­ti­ca: pe­lo fim (só ro­man­ces de­vem ser li­dos na se­quên­cia). O ca­pí­tu­lo 6, “Re­pre­sen­ta­ções — A Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al em ima­gens, li­te­ra­tu­ra e his­tó­ria”, não é o me­lhor, cer­ta­men­te, mas é um dos mais in­te­res­san­tes. Nes­te tex­to, pri­o­ri­zo o ci­ne­ma.

Norman Davies, historiador: “O ci­ne­ma ja­mais pro­du­zi­rá um re­la­to da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al com­ple­to ou de­fi­ni­ti­vo. Ele é bom pa­ra dar re­le­vo a epi­só­di­os, pa­ra dra­ma­ti­zar ações e pequena es­ca­la e pa­ra in­ter­pre­tar os di­le­mas e idi­os­sin­cra­si­as de per­so­na­li­da­des es­pe­cí­fi­cas

O ci­ne­ma, an­tes da he­ge­mo­nia da te­le­vi­são, era tu­do, ou qua­se. Da­vi­es con­ta que “Go­eb­bells vi­ra ‘O En­cou­ra­ça­do Po­temkin’ (1925), de Ser­guei Ei­sen­stein, e fi­ca­ra im­pres­sio­na­do. Era o su­fi­ci­en­te, dis­se ele, pa­ra trans­for­mar ca­da es­pec­ta­dor em um bol­che­vi­que. To­dos os paí­ses com­ba­ten­tes de 1939-45 pro­du­zi­ram do­cu­men­tá­rios sob con­di­ções de rí­gi­da cen­su­ra”. Co­mo con­ti­nha uma men­sa­gem an­ti­ger­mâ­ni­ca, e os so­vi­é­ti­cos eram ali­a­dos dos ale­mã­es, “Ale­xan­dre Nevski” não pô­de ser exi­bi­do en­tre 1939-41.

Os fil­mes de guer­ra, ava­lia Da­vi­es, não fo­ram fei­tos, no ge­ral, pa­ra des­cre­ver com pre­ci­são os com­ba­tes. “Com mui­to pou­cas ex­ce­ções, o gê­ne­ro fil­me de guer­ra foi de­vo­ta­do a ce­le­bra­ções da cau­sa ali­a­da e, des­se mo­do, à pre­su­mi­da su­pe­ri­o­ri­da­de das for­ças ali­a­das e dos ob­je­ti­vos de guer­ra ali­a­dos. (…) À me­di­da que o tem­po pas­sou e Hollywo­od es­quen­tou as tur­bi­nas, a ten­dên­cia aos exa­ge­ros pa­tri­ó­ti­cos de­sa­guou qua­se que im­per­cep­ti­vel­men­te em fal­si­fi­ca­ções des­ca­ra­das.”

En­tre os fil­mes que es­ca­pa­ram às fal­si­fi­ca­ções, Da­vi­es ci­ta “The Cru­el Sea” (1953) e “Die Brücke” (“A Pon­te”, de 1959). Ba­se­a­do em “Mar Cru­el”, ro­man­ce de Ni­cho­las Mon­sar­rat, pu­bli­ca­do no Bra­sil pe­la Edi­to­ra Mé­ri­to, em 1952, o fil­me “des­cre­veu a guer­ra na­val de ma­nei­ra pou­co fa­vo­rá­vel. ‘Die Brücke’, uma pro­du­ção ale­mã, pre­ten­dia mos­trar a inu­ti­li­da­de da guer­ra. Ele apre­sen­tou os sol­da­dos ale­mã­es sob uma óti­ca di­fe­ren­te: não co­mo di­a­bos lou­ros la­tin­do or­dens, mas co­mo ado­les­cen­tes des­pre­pa­ra­dos en­vi­a­dos ao front pa­ra se­rem mor­tos por tan­ques ame­ri­ca­nos. ‘A Cruz de Fer­ro’ (1977), de Sam Peckin­pah, foi além. Com Ja­mes Co­burn es­tre­lan­do co­mo o du­rão ca­bo Stei­ner, a obra hu­ma­ni­za a Wehhmacht”.

Pou­cos fil­mes oci­den­tais tra­ta­ram das ba­ta­lhas na Fren­te Ori­en­tal, co­mo se, no­ta Da­vi­es, a Uni­ão So­vi­é­ti­ca pra­ti­ca­men­te não ti­ves­se par­ti­ci­pa­do da guer­ra — quan­do a ver­da­de é ou­tra: os rus­sos fo­ram de­ci­si­vos pa­ra a vi­tó­ria dos Ali­a­dos. “A gran­de mai­o­ria dos fil­mes abor­da­va qua­tro ou cin­co te­mas fi­xos: a guer­ra aé­rea, a Ba­ta­lha do At­lân­ti­co, a cam­pa­nha no Nor­te da Áfri­ca, os ata­ques de sol­da­dos e os cam­pos de pri­si­o­nei­ros de guer­ra. E o Exér­ci­to Ver­me­lho não apa­re­cia em ne­nhum de­les. Quan­do o te­ma cen­tral da guer­ra con­ti­nen­tal des­pon­ta­va, em fil­mes co­mo ‘O Mais Lon­go dos Di­as’ ou “Ba­ta­lha das Ar­de­nas”, li­mi­ta­va-se a ex­clu­si­va­men­te aos com­ba­tes na Eu­ro­pa oci­den­tal. Ne­nhum fil­me im­por­tan­te ja­mais foi fei­to so­bre a mais de­ci­si­va ba­ta­lha da guer­ra, em Kursk — tal­vez por­que não hou­ves­se ne­nhum ame­ri­ca­no en­vol­vi­do” (há um do­cu­men­tá­rio nas ban­cas de re­vis­tas e sebos).

Cena do filme Quando Voam as Cegonhas, do diretor MIkhail Kalatozov | Foto: Divulgação

“As pro­du­ções de mai­or qua­li­da­de”, re­gis­tra Da­vi­es, “sem dú­vi­da não apa­re­ce­ram no Oci­den­te. Ape­sar de to­do o seu di­nhei­ro e da au­sên­cia de cen­su­ra for­mal, Hollywo­od sim­ples­men­te não con­se­guiu com­pe­tir em ter­mos de sen­si­bi­li­da­de hu­ma­na e so­fis­ti­ca­ção po­lí­ti­ca”. De­pois da mor­te de Stá­lin, os so­vi­é­ti­cos e ou­tros di­re­to­res do Les­te Eu­ro­peu, que sa­bem fa­zer ci­ne­ma, co­me­ça­ram a tra­ba­lhar. “A me­lhor pro­du­ção, ven­ce­do­ra da Pal­ma de Ou­ro em Can­nes, foi ‘Quan­do Vo­am as Ce­go­nhas’ (1957), de Mikhail Ka­la­to­zov. O fil­me ex­plo­ra o es­pec­tro de emo­ções vi­vi­das por um ca­sal de aman­tes, Ve­ro­ni­ca e Bo­ris, que se co­nhe­cem nas ru­as de Mos­cou e en­tão são cru­el­men­te se­pa­ra­dos pe­la guer­ra.

Cena de A Balada do Soldado | Foto: Divulgação

A pro­du­ção foi lo­go su­ce­di­da por ou­tra obra-pri­ma, ‘A Ba­la­da do Sol­da­do’ (1959), de Grei­go­ri Tchukhrai, que foi cha­ma­da de ‘re­a­lis­mo so­ci­al com um ros­to hu­ma­no’. (…) Nes­sa mes­ma épo­ca, o di­re­tor po­lo­nês Andrzej Wajda de­sa­fi­ou os li­mi­tes da cen­su­ra com dois ex­tra­or­di­ná­rios fil­mes so­bre a guer­ra e su­as con­se­quên­cias. ‘Ka­nal’ (1957) de­ve ser um dos fil­mes mais per­tur­ba­do­res já pro­du­zi­dos. Além de re­tra­tar o he­ro­ís­mo do Le­van­te de Var­só­via, que as au­to­ri­da­des co­mu­nis­tas con­de­na­vam to­tal­men­te, a pe­lí­cu­la con­ti­nha ce­nas su­ge­rin­do trai­ção so­vi­é­ti­ca. ‘Cin­zas e Di­a­man­tes’ (1958), ba­se­a­do num ro­man­ce de Jerzy Andrze­jewski, é cons­tru­í­do so­bre o fa­to não-ex­pres­so de que a so­ci­e­da­de do pe­rí­o­do da guer­ra foi pre­do­mi­nan­te­men­te an­ti­co­mu­nis­ta e an­ti­fas­cis­ta. A ou­sa­dia de Wajda aqui po­de ser com­pa­ra­da à po­si­ção de Tchukhrai em ‘Chis­toe Ne­bo’ (1961), que re­la­ta a his­tó­ria de um pi­lo­to so­vi­é­ti­co que so­bre­vi­ve a um aci­den­te em com­ba­te e à pri­são ale­mã ape­nas pa­ra ser pre­so pe­la NKVD [an­te­ces­so­ra da KGB] sob fal­sas acu­sa­ções de es­pi­o­na­gem”. Ex­ce­to es­pe­cia­lis­tas, como os críticos Herondes Cezar, Lisandro Nogueira e Marcelo Franco, quem co­nhe­ce es­ses fil­mes?

Cena do filme Cinzas e Diamante | Foto: Divulgação

Os fa­mo­sos “A Lis­ta de Schindler” (1993) e “O Res­ga­te do Sol­da­do Ryan”, am­bos de Ste­ven Spi­el­berg, “são mui­to fra­cos em con­tex­to his­tó­ri­co”. “Cír­cu­lo de Fo­go” (2001), “que apre­sen­ta um du­e­lo de fran­co-ati­ra­do­res em Sta­lin­gra­do, tem to­ques de pri­o­ri­da­des oci­den­tais”. “A Que­da! As Úl­ti­mas Ho­ras de Hit­ler” foi dis­cu­ti­do, nos Es­ta­dos Uni­dos, de mo­do to­lo, ava­lia Da­vi­es. O fil­me foi acu­sa­do de hu­ma­ni­zar Hit­ler. Da­vi­es ci­ta Ian Kers­haw, com o qual con­cor­da: “Acho di­fí­cil ima­gi­nar que al­guém [além da ha­bi­tu­al mi­no­ria ne­o­na­zis­ta] pos­si­vel­men­te te­nha con­di­ções de achar Hit­ler uma fi­gu­ra sim­pá­ti­ca du­ran­te seus úl­ti­mos e bi­zar­ros di­as… Hit­ler, afi­nal de con­tas, era um ser hu­ma­no, ain­da que um es­pé­ci­me es­pe­ci­al­men­te ofen­si­vo e de­tes­tá­vel”.

Cena do filme Kanal | Foto: Divulgação

Ape­sar de le­var em con­si­de­ra­ção o ci­ne­ma, Da­vi­es jul­ga que não é o meio ade­qua­do pa­ra se com­pre­en­der fa­tos his­tó­ri­cos com­ple­xos: “O ci­ne­ma ja­mais pro­du­zi­rá um re­la­to da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al com­ple­to ou de­fi­ni­ti­vo. Ele é bom pa­ra dar re­le­vo a epi­só­di­os, pa­ra dra­ma­ti­zar ações em pe­que­na es­ca­la e pa­ra in­ter­pre­tar os di­le­mas e idi­os­sin­cra­si­as de per­so­na­li­da­des es­pe­cí­fi­cas. Mas pa­re­ce per­der sua for­ça de ma­nei­ra pro­por­ci­o­nal ao ta­ma­nho do te­ma. Uma ba­ta­lha, uma cam­pa­nha ou um ge­ne­ral po­dem ser con­vin­cen­te­men­te abor­da­dos. Mas ‘O Mais Lon­go dos Di­as’ é a mai­or am­pli­tu­de que o meio ci­ne­ma­to­grá­fi­co po­de dar con­ta. E hou­ve 2.076 des­ses di­as en­tre 1º de se­tem­bro de 1939 e 9 de maio de 1945. Pe­lo me­nos até ago­ra, ne­nhum di­re­tor en­con­trou uma ma­nei­ra sa­tis­fa­tó­ria de abor­dar a Fren­te Ori­en­tal e a Fren­te Oci­den­tal em uma só te­la. Con­tu­do, a re­la­ção en­tre as du­as for­ne­ce a cha­ve de co­mo a guer­ra foi ven­ci­da e per­di­da”.

Michael Caine, ator: não, a guerra não começou em 1941 | Foto: Reprodução

Uma his­tó­ria di­ver­ti­da e sé­ria con­ta­da por Da­vi­es: “Di­zem que o ator Mi­cha­el Cai­ne man­dou seus fi­lhos de vol­ta pa­ra a Grã-Bre­ta­nha de­pois que eles apren­de­ram nu­ma es­co­la ame­ri­ca­na que a ‘Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al’ co­me­çou em 1941”. Di­go “sé­ria” por­que os ame­ri­ca­nos ten­dem a con­tar a his­tó­ria da Se­gun­da Guer­ra a par­tir do iní­cio de sua par­ti­ci­pa­ção no com­ba­te.

Da­vi­es é o au­tor do “Le­van­te de 44” (Re­cord), ma­gis­tral li­vro so­bre a ba­ta­lha, per­di­da, dos po­lo­nes­es con­tra os ale­mã­es. Os so­vi­é­ti­cos não qui­se­ram aju­dar os po­lo­nes­es, que fo­ram mas­sa­cra­dos. Stá­lin não en­viou ali­men­tos, ar­mas e ho­mens. Pres­sio­na­do por Wins­ton Chur­chill e Franklin D. Ro­o­se­velt, che­gou a jo­gar ar­mas e ali­men­tos, mas sem pa­ra­que­das. Re­sul­ta­do: as ar­mas che­ga­vam que­bra­das e a co­mi­da, es­fa­ri­nha­da. Stá­lin ava­liou que era me­lhor os ale­mã­es ma­ta­ram aque­les que, fu­tu­ra­men­te, po­de­ri­am con­tes­tar o re­gi­me que pla­ne­ja­va ins­ta­lar na Po­lô­nia.

Em­bo­ra não se­ja crí­ti­co li­te­rá­rio, e sim his­to­ri­a­dor, Da­vi­es também ana­li­sa de mo­do com­pe­ten­te a li­te­ra­tu­ra que tra­tou da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Mos­tra su­as qua­li­da­des e in­su­fi­ci­ên­cias.

[Texto publicado em abril de 2009. O livro de Norman Davies é de 2006 e saiu no Brasil em 2009. Portanto, 13 anos depois, outros filmes foram feitos]

Leia sobre livros que explicam a Segunda Guerra Mundial

Segunda Guerra Mundial e o trabalho controverso dos historiadores

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ricardo Hochleitner

Cinema é entretenimento, não história. Tenho certeza que os russos tambem preferem assistir filmes contanto as proezas dos seus militares.