Irapuan Costa Junior
Irapuan Costa Junior

Oblómov é um grande romance russo do século 19, o período de ouro da literatura da terra de Puchkin

O romance “Oblómov”, de Ivan Gontchárov, mostra o parasitismo da vida da nobreza da Rússia no século 19 / Foto:The Guardian

O romance “Oblómov”, de Ivan Gontchárov, mostra o parasitismo da vida da nobreza da Rússia no século 19 / Foto: The Guardian

O que é a boa literatura? Im­possível dizer. A sensação literária, aquela que nos atinge o espírito quando lemos, é por demais subjetiva para admitir uma classificação. O leitor pode gostar de “Harry Potter”, da autora inglesa J. K. Rowling, e eu posso preferir “O Sítio do Pica-Pau Amarelo”, de Monteiro Lobato. Muitos (a vendagem comprova) acham Paulo Coelho um grande escritor, enquanto outros tantos não conseguem sequer lê-lo. Para cada um, boa literatura é a que lhe deixa na consciência uma impressão mais profunda, que lhe transmite as imagens que o autor tentou deixar claras no papel. É aquela que dá uma sacudidela de satisfação quando uma cena bem descrita lhe toca num ponto sensível; é aquela que volta à lembrança tempos após terminada a leitura e fechado o livro.

42127445Se é fácil definir o que é a boa literatura para um indivíduo, difícil, senão impossível, é defini-la de uma maneira geral. Poder-se-ia dizer, o que seria até certo ponto aceitável, que boa literatura é aquela que persistiu através dos tempos e varou a barreira de seu idioma de origem. Se afirmamos que “Guerra e Paz”, de Liev Tólstoi, “Os Miseráveis”, de Victor Hugo, ou “Os Sofrimentos do Jovem Wer­ther”, de Goethe, são bons livros, provavelmente não seremos desmentidos. A produção de Sha­kespeare é considerada boa literatura, quase que por unanimidade.

A busca dessa boa literatura, objeto da crítica literária e das premiações, é um exercício de boa vontade, mas não muito mais que isso. Muitos livros e autores, elogiados e premiados, não resistem a poucos anos e a uma ou duas tiragens, enquanto alguns outros, menosprezados a princípio, acabam por se impor e persistir. A maior dessas premiações, o Prêmio Nobel não deixa de ser uma busca por boa literatura, não por ação de um crítico, mas por ação de um conjunto deles, todos de alto nível: os membros da Academia Sueca.

O Nobel busca destacar os autores (não os livros) cujas obras já têm uma aceitação e permanência no tempo passado, e que no seu entender, poderão continuar a tê-las no tempo futuro. O Nobel comete erros, humano que é, mas faz também seus acertos. Desde que instituído, em 1900, para ser outorgado a partir de 1901, premiou pouco mais de uma centena de autores pelo mundo, na esmagadora maioria (cerca de 80%) europeus. Os franceses são campeões, com 14 premiações, seguidos dos alemães com 9, ingleses e americanos com 8 prêmios cada.

Interessante é que os americanos só conquistaram seu primeiro Nobel em 1930, 30 anos após sua criação, com Sinclair Lewis. E William Faulkner, que desde os anos 1920 já o merecia (escreveu “Paga de Soldado” em 1926), só foi contemplado em 1949. Em língua portuguesa, apenas José Saramago foi lembrado pelos suecos, e poucos poderão discordar de que melhor seria ter buscado Fernando Pessoa. A América do Sul é um deserto de prêmios Nobel. Espanha ou Polônia (cinco vezes cada uma) foram mais premiadas que todo o subcontinente em conjunto: dois prêmios para o Chile (Gabriela Mistral e Pablo Neruda), um para a Colômbia (Gabriel García Márquez) e um para o Peru (Mario Vargas Llosa). Os russos acumularam apenas cinco prêmios Nobel, o que é pouco, para a literatura mais pujante de todo o século XIX e começo do século XX.

Como o Nobel só contempla escritores vivos, russos como Gógol, Puchkin, Dostoiévski e Turguêniev, todos expoentes literários reconhecidos, cada um merecedor de seu Nobel, ficaram de fora, pois já eram falecidos quando o prêmio começou a ser conferido. Mas Tchekhov (que faleceu em 1904) e Tolstói (que morreu em 1910) seriam indiscutíveis, tivessem sido escolhidos pela Academia Sueca, que os preteriu. A ignorância totalitária soviética, principalmente sob Stálin, sufocou a melhor literatura do mundo. Como hoje se sabe, Stálin pretendia dirigir pessoalmente o trabalho dos escritores soviéticos. Só conseguiu anulá-los, ou fisicamente, mandando fuzilá-los se não obedeciam, ou intelectualmente, fazendo com que obedecessem suas diretrizes literárias.

O primeiro Nobel russo, Ivan Bunin (1933), era um exilado em Paris. O vigor da literatura russa vai muito além dos superautores que citamos acima. Menos lido, embora traduzido no Brasil, Ivan Gontcharóv (1812-1891) é autor, entre outras obras, de um magnífico clássico que marcou a literatura russa na época, e teve influência considerável no pensamento de então. O romance “Oblómov”, publicado em 1859, atravessou as fronteiras e foi traduzido nas línguas mais faladas do Globo. Conta a história de um aristocrata russo, cujo nome dá o título do livro, íntegro mas apático, honesto mas displicente e desestimulado com a própria existência, que vê vazia e sem sentido. É enganado pelos comerciantes, pelos empregados e pelos amigos inescrupulosos, vendo se esvaírem as rendas de sua propriedade rural, que nunca visita.

Em oposição a ele, há seu amigo Stolz, plebeu de origem alemã, homem de caráter, dinâmico, empreendedor, que faz fortuna com seu trabalho. Stolz tenta tirar Oblómov do marasmo e do descuido em que vive, cuida de suas finanças, tenta enfim salvá-lo de si mesmo. Oblómov tem uma centelha de reação ao conhecer a bela Olga Sergueiévna, por quem se apaixona, mas isso dura pouco, e ele volta à letargia displicente de sempre, enquanto Stolz acaba por se casar com Olga, sob a total indiferença de Oblómov, que ao fim, suprema indolência, casa-se com a criada, que dele cuida com desvelo, e segue até a morte abominando a vida.

Se “Oblómov” é um romance atraente, de fácil leitura, é também uma crítica ao parasitismo da nobreza russa e ao sistema econômico dos czares. Ao confrontar a letargia de Oblómov com o dinamismo de Stolz, Ivan Gontcharóv não fez mais que tecer sua crítica a um sistema econômico burocrático e semifeudal. Compara, contrastando personagens, a apatia da nobreza russa e a vontade empreendedora da sociedade industrial alemã, em franco desenvolvimento à época em que Oblómov era escrito. Dá uma mensagem de esperança no amor, que pode operar regeneração, se correspondido.

O romance de Gontcharóv penetrou fundo na sociedade russa, já quase madura para contestar o czarismo. O substantivo oblomovismo foi criado para significar displicência ou apatia, e incorporou-se à língua russa.

Reflexos de Oblómov chegaram até Goiás. O livro foi traduzido em 1966 pelo mineiro Francisco Inácio Peixoto, já falecido (Edições O Cruzeiro). Em 2001 surgiu outra tradução, agora assinada por Juliana Borges (Germinal). Só que, ao que parece, a segunda tradução era um plágio da primeira, conforme alerta lançado pelo professor Anselmo Pessoa, da Universidade Federal de Goiás ao jornalista Euler de França Belém. Euler, cotejando as duas traduções, concordou com o mestre Anselmo: haviam coincidências demais, e até nos erros das duas traduções. Tradutores da primeira estão nos tribunais contra os tradutores da segunda edição.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.