A eleição para 1ª vice-presidência da Câmara Municipal de Goiânia pode não ser prioridade do momento, considerando outros assuntos em pauta, como a CEI da Comurg. Entretanto, apesar do assunto ser considerado “frio” no momento, ainda há vereadores que estão de olho no cargo. Por exemplo, entre os cotados para a cadeira estão Geverson Abel (Avante), Thialu Guiotti (Avante), Aava Santiago (PSDB), Sandes Júnior (PP), Henrique Alves (MDB), Kátia Maria (PT) e Dr. Gian (MDB).

Para Abel, um dos nomes que já expressou o desejo pela vice-presidência publicamente, o parlamentar eleito precisa trazer “harmonia” entre a Casa e Paço Municipal. “Essa interação é de fato muito importante, inclusive quem for eleito precisa ter esse comportamento para equilibrar a relação entre os dois poderes. A cidade precisa disso”, contou, em entrevista para o Jornal Opção.

Outro ponto destacado pelo político do Avante é a necessidade de um nome que também não cause problemas dentro da Câmara. Ou seja, independente de quer foi escolhido, o vereador não pode causar “nenhuma forma de rachadura no parlamento”.

“A verdade é que estamos é um grupo, o dos vereadores que apoiaram a eleição do Romário Policarpo (Patriota)”, apontou o vereador. “Estamos unidos desde a primeira eleição dele, então esse pleito não é interesse pessoal, mas sim coletivo. Por isso, a decisão também parte do presidente da Casa porque precisa ser alguém de confiança”, completou.

Até o momento, não há expectativa para eleição de 1º vice-presidente da Câmara, fontes do Jornal Opção apontam que isso não ocorrerá antes da CEI da Comurg. Por enquanto, o 2º vice-secretário, vereador Isaías Ribeiro (Republicanos) está ocupando a vaga de forma provisória.

De acordo com o regimento interno da Casa, a diretriz afirma que uma eleição precisa ser convocada 15 dias após a saída do titular do cargo. Entretanto, o antigo dono da cadeira, Clécio Alves (MDB), deixou a Casa no início do ano para cumprir o mandato como deputado estadual.