O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) iniciou na madrugada desta sexta-feira, 23, o julgamento das chapas de vereador do PSC e PTC (atualmente Agir), por suspeita de fraude à cota de gênero nas eleições de 2020. Cada sigla elegeu um vereador: Léia Klebia (hoje no Podemos) e Paulo Henrique da Farmácia (Agir). A expectativa é de que análise dos casos termine no máximo até a próxima quinta-feira, 29.

Até o momento, o único voto em ambos os processos foi o do ministro Nunes Marques. Ele votou a favor pela cassação de Paulo Henrique da Farmácia e de Léia Klebia.

Caso algum dos vereadores em julgamento seja cassado, o próximo na fila da suplência é Fabrício Rosa (PT). Se ambos perderem o processo, Tiãozinho Porto (MDB) também assume uma das vagas, conforme cálculos realizados pelo Jornal Opção.

Além do PSC e do PTC, o PTB ainda deve ter julgamento marcado e caso o vereador Léo José (sem partido) seja cassado, Priscilla Norgann (PSD) assume a cadeira na Casa.

Anteriormente os vereadores do PMB, Pastor Wilson e Edgar Duarte, foram cassados por 7 votos a zero. Dessa forma, Markim Goyá (PRD) e Bill Guerra (Solidariedade) voltam para a Câmara Municipal de Goiânia.

Leia também:

TSE cassa chapa do PMB, dois vereadores perdem o mandato em Goiânia e Avante fica na Câmara

Câmara derruba veto de Rogério Cruz e mantém multa de R$ 1 mil por omissão de socorro a animais atropelados