A “dança das cadeias” continua dentro da Câmara Municipal de Goiânia. Nesta quarta-feira, 4, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Nunes Marques, cassou a chapa do PTB e o vereador Léo José (sem partido) deve perder o mandato. A instância máxima da Justiça Eleitoral também determinou a posse imediata de dois parlamentares do PRTB cassados anteriormente, Bruno Diniz e Santana Gomes.

Somando a cassação anterior de Paulo Henrique da Farmácia (Agir) com a de hoje de Léo José , a saída dos dois parlamentares abriria duas cadeira na Casa. No caso, Markim Goyá (Patriota) e Bill Guerra Mochilink (Solidariedade) assumiriam. Mas, existe “porém” nesta história.Com o retorno de Diniz e Gomes, Igor Franco (Solidariedade) e Welton Lemos (Podemos) perderiam os mandatos.

Entretanto, com a saída de Paulo Henrique e Léo José, eles vão garantir a vaga na Câmara de qualquer forma.Independente da ordem dos fatores, Goyá e Guerra podem receber a diplomação, mas ficariam pouquíssimo tempo no cargo. A composição final garantiria a permanência dos dois membros do bloco “Vanguarda”.

Só que existem ainda mais cinco parlamentares que podem ser cassados por suspeita de fraude à cota de gênero: Edgar Duarte (PMB), Pastor Wilson (PMB), Thialu Guiotti (Avante), Geverson Abel (PMB) e Léia Klebia (Podemos). Ou seja, ainda existe muita música para ser tocada durante a dança do Legislativo goianiense.