O Ministério da Justiça, sob comando de Flávio Dino, entrou em contato com o governo dos Estados Unidos e a Interpol, em Lyon (França), a fim de acelerar o processo de extradição do influenciador bolsonarista Allan dos Santos, que vive por lá desde 2020.

Allan é considerado foragido desde que foi ordenada sua prisão preventiva no inquérito das fake news, em 2021, a pedido da Polícia Federal. Ele é alvo de investigações do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre organização de milícias digitais focadas em atacar a democracia e suas instituições.

O governo brasileiro já havia acionado os EUA em 2021, por meio do DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional), e enviou o pedido à Interpol para inclusão na difusão vermelha. Geralmente, a inclusão ocorre com alguma agilidade, o que não ocorreu na ocasião. Agora, Dino espera que a Allan seja incluído na lista de procurados.

Em investigações anteriores, mensagens interceptadas pela PF revelaram que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do ex-presidente, ofereceu ajuda para que Allan deixasse o Brasil.