Virmondes Cruvinel é o primeiro a levantar a mão quando Vilmar Rocha pergunta quem será candidato a prefeito

Ex-vereador pela capital Virmondes Cruvinel, pré-candidato ao Paço Municipal | Marcello Dantas

Virmondes Cruvinel (esq), pré-candidato ao Paço Municipal, ao lado do deputado federal Indio da Costa | Marcello Dantas

O deputado estadual Virmondes Cruvinel (PSD) foi um dos primeiros a levantar a mão quando o presidente estadual do partido, o secretário de estado Vilmar Rocha, questionou quem disputaria as prefeituras em 2016, durante evento da legenda no Centro de Convenções de Goiânia, na terça-feira, 15.

“Se você não levantar a mão eu vou brigar com você, rapaz”, disse Vilmar ao ex-vereador pela capital. Estavam no palco o presidente afastado do PSD nacional, o ministro das Cidades, Gilberto Kassab; o titular da Segplan, o deputado federal licenciado Thiago Peixoto; e o deputado estadual Franciso Jr., também pré-candidato ao Paço Municipal pela legenda.

Melhor nome

Em discurso, Thiago Peixoto disse que o PSD tem o melhor projeto e nome para concorrer à prefeitura. “Foi vereador, presidente da Câmara Municipal, foi secretário de Planejamento e es formou nessa área. Não temos um nome melhor”, afirmou, referindo-se a Francisco Jr., ex-auxiliar do então prefeito Iris Rezende (PMDB). “Aliás, temos nome melhor sim: ex-vereador e um dos mais votados em 2014 para deputado estadual, Virmondes Cruvinel”, continuou o secretário.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Caio Maior

Virmondes Cruvinel é inteligente, educado, preparado, articulado, qualificado – além de ser jovem e enfatizar o respeito às leis. Tem comportamento político irrepreensível e todas as condições de enfrentar e surpreender o acaico “semideus” de Cristianópolis. Já passou da hora dos partidos de oposição ao atraso mostrarem disposição para enfrentar e reduzir o embusteiro do cerrado à sua real dimensão: paneleiro, autoritário, despreparado. Sob pena do rei das promessas mais uma vez invadir as mentes desavisadas com o mote “vou resolver em seis meses”.