Iris Rezende, Waldir Soares, Vanderlan Cardoso, Adriana Accorsi, Francisco Júnior, Flávio Sofiati e Djalma Araújo: candidatos | Foto: Reprodução
Iris Rezende, Waldir Soares, Vanderlan Cardoso, Adriana Accorsi, Francisco Júnior, Flávio Sofiati e Djalma Araújo: candidatos | Foto: Reprodução

A propaganda política sugere que os candidatos a prefeito de Goiânia estão, no geral, antenados com o que é televisão. Estão relativamente bem orientados.

A candidata do PT, Adriana Accorsi, é bonita e exala simpatia, com seu sorriso franco. Porém, no programa de sexta-feira, 26, apresentou-se de maneira sisuda, como se quisesse passar seriedade, mas acabou escondendo o seu forte — a simpatia. Num momento em que se fala que os políticos são homens de gabinete, que não conhecem os problemas reais da cidade, o marketing da deputada-delegada colocou-a sentada numa cadeira, quase imobilizada. Sua apresentação com movimento, se conectada à cidade, poderia render mais frutos. Faltou explicar ao eleitor por que o PT merece um quarto mandato em Goiânia. Resta saber, por fim, se vai se exibir como postulante do PT e candidata do prefeito Paulo Garcia, de maneira direta e não episódica.

Francisco Júnior, do PSD, andou pela cidade, a pé e de automóvel. Apresentou críticas à gestão de Paulo Garcia, mas com leveza. Fala bem, expõe as ideias com clareza. Estranhamente, porém, sua cabeça ficou parecida com uma pintura cubista de Pablo Picasso. Problemas de enquadramento da câmera.

Waldir Delegado Soares, do PR, andou pela cidade, em contato com populares. Está sempre de terno, o que impõe certo distanciamento dos eleitores, uma diferenciação, como se estivesse participando de uma sessão da Câmara dos Deputados, e não pedindo votos nas ruas. Um detalhe positivo é que não provoca indiferença e chama a atenção. Falou de investimento em segurança pública — não disse de onde vai retirar dinheiro para aplicar na área —, em creches noturnas e que, se eleito, vai passar Goiânia a limpo (em que sentido, não explicitou). Um de seus problemas é que parece não perceber que, como está entrando nas casas das pessoas, por meio da programação televisual, não convém gritar. Deveria falar mais serenamente, e não aos solavancos.

Flávio Sofiatti, do PSOL, e Djalma Araújo, da Rede, mal tiveram tempo para pedir o voto do eleitor. O tempo deles é muito curto.

Ao andar pela cidade, Vanderlan Cardoso, do PSB, apresentou-se e apresentou-a (com imagens plasticamente bonitas e música que remete mais ao passado rural do que à urbanização) com habilidade. Pôs o povo para reclamar das últimas gestões em Goiânia — referência a Iris Rezende, do PMDB, e a Paulo Garcia, do PT — e colocou pessoas para explicar como é o empresário e o homem. Conectou juventude e modernidade e andou pela cidade com seu vice, o jovem Thiago Albernaz, neto de Nion Albernaz. Fica-se com a impressão de que o programa, além de plasticamente bonito, foi o que comunicou mais.

Apesar de sugerir que fisicamente está ligeiramente alquebrado, talvez devido aos seus quase 83 anos, Iris Rezende circulou pela cidade, a pé e de automóvel, comunicando-se diretamente com as pessoas. Falou dos desafios da cidade e dos problemas de segurança e disse que sua vocação é ser político.