Muitos superintendentes do governo de Goiás estão dizendo, por enquanto nos bastidores, que se tornaram verdadeiras rainhas da Inglaterra. Teoricamente, têm poder; na prática, não mandam em nada. Eles argumentam que estão sem “funções reais”.