Romanelli: indecisão do Podemos sobre aliança eleitoral prejudica chapas pra deputado

O presidente metropolitano do partido cobra que a direção nacional entre no circuito e force uma definição em Goiás

Membro do Podemos, Gilson Romanelli afirma que o partido está dividido em duas correntes. De um lado, o deputado federal José Nelto, que chegou a ser líder da bancada na Câmara. Do outro, o grupo de Eduardo Machado (no momento, dedicado às tertúlias políticas no Rio de Janeiro) e Felipe Cortês, secretário da gestão do prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha.

A turma de Mendanha está indecisa sobre sua filiação ao Podemos. Argumenta-se que a aliança com Sergio Moro pode não ser positiva para o postulante de Aparecida, tanto que teria encomendado uma pesquisa sobre a questão para verificar da associação com o ex-magistrado em sua campanha.

Gilson Romanelli: líder do Podemos em Goiânia | Foto: Divulgação

Romanelli frisa que não se sabe até quando o “casamento” entre os grupos de Nelto e Felipe Cortês vai durar. Até o momento, trata-se de um casamento às portas de um divórcio, e litigioso.

Pré-candidato a deputado estadual, Romanelli postula que se comenta que José Nelto poderá se filiar a outro partido para disputar a reeleição. Seria uma legenda da base do governador Ronaldo Caiado. André Rosa, Felipe Cortês e Eduardo Machado ficam com Gustavo Mendanha.

Romanelli sublinha que Mendanha se reuniu, “por mais de uma vez, com a presidente nacional do Podemos, deputada federal Renata Abreu, porém não chegaram questão”.

Presidente metropolitano do Podemos, Romanelli sugere que a indecisão prejudica o partido, sobretudo a formação de chapas para deputado federal, e deputado estadual e senador. “Os pré-candidatos querem saber, desde já, de que lado estará o Podemos na disputa de 2022. Uma decisão agora, logo no início do ano, já daria condições de a executiva estadual buscar pré-candidatos pra montar uma chapa competitiva”.

Há quem postule que, para pacificar as duas alas, Gilson Romanelli deveria ser indicado para assumir o comando da executiva estadual e articular a formatação das chapas proporcionais.

Amigo de Renata Abreu, de quem é companheiro político desde 2013, Romanelli deve ser candidato a deputado, talvez estadual. Ele destaca que a candidatura de Sergio Moro a presidente da República está ganhando corpo no país e, por isso, o Podemos não pode ficar indeciso em Goiás. “É hora de as pessoas decidirem se querem ou não fazer parte deste projeto”.

Na opinião de Romanelli, a direção nacional deve entrar no circuito para ajudar a definir com quem o Podemos vai caminhar em Goiás.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.