Qualis dizem que eleitorado de Goiânia quer candidato independente em relação a Marconi e Paulo Garcia

Iris Rezende, Waldir Soares e Vanderlan Cardoso: os três querem conectar-se com a sociedade e manter-se desconectados de Paulo Garcia e Marconi Perillo | Foto: Fotos: Renan Accioly/ Paulo José

Iris Rezende, Waldir Soares e Vanderlan Cardoso: os três querem conectar-se com a sociedade e manter-se desconectados de Paulo Garcia e Marconi Perillo | Foto: Fotos: Renan Accioly/ Paulo José

Assim como os leitores de jornal, políticos adoram pesquisas quantitativas. Mas o que políticos experimentados e modernos esquadrinham com lupa, sobretudo na pré-campanha e no início da campanha, são as pesquisas qualitativas. Elas são mais caras, mais longas, mas fornecem material para os candidatos adequarem e, até, reformularem seus discursos e projetos. Mesmo Iris Rezende, do PMDB, refratário a examinar pesquisas, sobretudo as qualis, está mais disposto a dar-lhe um “voto de confiança”. O deputado federal Waldir Delegado Soares, que procura um novo partido político, e o empresário Vanderlan Cardoso (PSB) são atentos aos números e, sobretudo, à Goiânia profunda captada pelos levantamentos dos institutos de pesquisa. Por isso há uma busca, até frenética, pela imagem de “candidato independente”.

As pesquisas sugerem que, em Goiânia, os eleitores estão de olho num candidato que, antes de ser político, é visto como gestor. Mas Waldir Soares não é apontado mais como político do que como administrador? Surpreendentemente, o delegado-deputado é visto como um político não-político. Noutras palavras, como um político que desafia os políticos tradicionais e que, por vezes, parece sintonizado com os chamados eleitores de formação cultural apenas mediana. Há uma sintonia fina entre o quase ex-tucano e parte do eleitorado que não se julga representado com ninguém. Este eleitorado não o vê como maluco, e sim como um político que “tem coragem de dizer o que precisa ser dito”.

Porém, nas classes média e alta, há uma certa desconfiança, pois Waldir Soares é visto como mais político do que gestor. Teme-se que, eleito, não dê conta de administrar a capital. Mas as pesquisas sugerem que é, no momento, o pré-candidato mais observado por todas as classes sociais. Para o bem e para o mal.

O que mais chama a atenção nas pesquisas qualitativas é o modo como os eleitores — a média deles — querem que se posicionem os candidatos. Eles querem um “candidato independente” em relação ao que avaliam como “os poderes”, quer dizer, o governador de Goiás, Marconi Perillo, do PSDB, e o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, do PT. O eleitorado sugere que o “bom” candidato não deve se “subordinar” a nenhum dos dois, mas, percebendo que o governador não está na disputa, indica que o “candidato adequado” deve manter-se distante e, sobretudo, crítico da gestão do petista. Conectar-se à sociedade significa, segundo a avaliação, desconectar-se dos “poderes”.

Examinando o que se disse acima, o leitor passa a entender porque, de repente, Iris Rezende colocou dois de seus aliados, o vice-prefeito de Goiânia, Agenor Mariano, e o ex-presidente da Câmara Municipal Clécio Alves para criticar, de maneira cáustica, a gestão do prefeito Paulo Garcia. Ao mesmo tempo, o peemedebista mantém-se crítico da gestão de Marconi Perillo. Waldir Soares, crítico de Paulo Garcia, começa a se descolar do tucano-chefe (daí as críticas às OSs da Saúde). Vanderlan Cardoso, por intermédio de Lúcia Vânia, apresenta-se como o mais novo “independente”.

Uma resposta para “Qualis dizem que eleitorado de Goiânia quer candidato independente em relação a Marconi e Paulo Garcia”

  1. Odlan Cruzeiro disse:

    Faço aqui a minha analise sem essa pesquisa cara, e fica de acordo com o gosto do freguês. O povo esta totalmente desacreditado em gestões do PSDB, PSB, e base aliada, ou seja não acreditam mais em MARCONI PERILLO, LUCIA VANIA, e os demais Marconistas. Quando se fala de ANA CARLA ABRÃO ai fica pior. E o único que enumera os problemas que teve com o PSDB é o deputado delegado WALDIR. Então pode ter certeza ele vai fazer um estrago nessa tal de base aliada. E venhamos, ninguém aguenta mais Marconi Perillo falar em gestão bla, bla, bla. A imprensa goiana tambem esta cadê vez mais desacredita, o governo mostra atraves da imprensa uma fantasia, enquanto o que estamos vivendo é outra realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.