“Há exatos dois anos, na mesma época, Benedito Torres era candidato único. Ao final, saíram sete candidatos”, contrapõe promotora de justiça

O Jornal Opção ouviu oito promotores e dois procuradores de Justiça em busca de informações sobre possíveis candidatos ao cargo de procurador-geral de justiça de Goiás. A eleição será realizada no início de fevereiro.

A maioria avalia que Aylton Vechi será candidato único. “Por que disputar se, ganhando, você não será nomeado? A tendência é que o governador Ronaldo Caiado nomeie, pela segunda vez, Aylton Vechi. Portanto, é forte a possibilidade de ele ser candidato único”, afirma um promotor.

Aylton Vechi: procurador-geral de Justiça de Goiás | Foto: Reprodução

Chegou à redação a informação de que o ex-procurador-geral Lauro Nogueira colocaria seu nome à disposição de procuradores e promotores. “Lauro tem prestígio na categoria, mas é realista. Por que iria disputar sabendo que, se vencer, não será nomeado?”, diz um procurador. “A tendência é que Aylton Vechi seja mantido no comando do MP.”

Fala-se também numa possível candidatura de Benedito Torres, ex-procurador-geral. Na eleição passada, foi o mais votado, mas foi preterido pelo governador Ronaldo Caiado. “Benedito pode até disputar, porque é popular. Mas de que adianta ganhar e não levar? Ele é inteligente e não vai perder tempo”, assinala uma promotora.

Se a tese do candidato único não vicejar, há nomes respeitáveis para a disputa — Alice Freire, Benedito Torres, José Carlos Nery, Lauro Nogueira e Leila Maria de Oliveira. Todos com experiência suficiente para dirigir o Ministério Público de Goiás — um dos melhores do país.

Benedito Torres: ex-procurador-geral de Justiça de Goiás | Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

“Há exatos dois anos, na mesma época, Benedito Torres era candidato único. Ao final, saíram sete candidatos. A bem da verdade, como o governador mudou na ocasião, isso mexeu com o tabuleiro”, analisa uma promotora.

Ao final da conversa com os promotores e procuradores, o repórter pediu uma avaliação da gestão de Aylton Vechi. A maioria aprova o trabalho do procurador-geral. “O procurador não é midiático e se preocupa com uma ação mais técnica e precisa, porque se chega a resultados mais positivos para a sociedade”, postula uma promotora.

“Aylton Vechi é realmente muito bom, sério. O que lhe falta é mais, digamos, ousadia”, avalia um procurador. “Mas felizmente, apesar de sua cautela, não se pode afirmar que o MP, na sua gestão, é chapa-branca. Talvez seja só mais criterioso e menos afoito. Ele não limita o trabalho dos promotores; pelo contrário, acata a Constituição.”

“Como procurador-geral, Aylton Vechi aposta mais na eficiência da ação do promotor do que nos holofotes da mídia”, defende um promotor. “Ele parece muito frio, mas é, no fundo, um apóstolo da justiça.”