Professores do Mackenzie montam OS para gerir escolas em Goiás

Secretária Raquel Teixeira | Foto: Leoiran

Secretária Raquel Teixeira | Foto: Leoiran

Professores e pesquisadores de uma das mais consagradas entidades de ensino do Brasil (e do mundo), a Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo, estão montando uma Organização Social para participar do processo de qualificação para gestão de escolas em Goiás.

Sem muito alarde, o grupo já teria entrado em contato com a Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás (Seduce).

Caso seja qualificada, a OS provará, de uma vez por todas, que o objetivo do governo é dar um salto de qualidade no ensino goiano — e não as especulações que alguns partidos de esquerda e grupos financiados pelo PT dizem.

A secretária Raquel Teixeira está 110% a bordo do projeto do governador Marconi Perillo (PSDB).  Antes preocupada (e com razão), hoje a professora anuncia aos quatro cantos que a ideia vai dar certo. E muito.

 

Uma resposta para “Professores do Mackenzie montam OS para gerir escolas em Goiás”

  1. Carlos Martins Alves disse:

    Não entendo por que este meio de comunicação insiste em afirmar que certos “grupos financiados pelo PT” são contra a implantação de OSs. Esse discurso tende a desqualificar os questionamentos que tais grupos têm feito em relação às organizações sociais e, propositalmente, omite o fato de que a luta pela não adesão a esse modelo tem muito a ver com a falta de clareza de como funcionará na rede pública. Não expõe que a resistência às OSs se dá no campo das políticas públicas e não no partidarismo político. O que esses grupos querem, antes mesmo de se pensar nesse novo tipo de gestão das escolas, é discutir com a comunidade (estudantes, professores, técnico-administrativos, pais) novas formas de administrar o ensino público com o objetivo sério de escolarizar, e não apenas alcançar resultados (entenda-se atingir os índices do Ideb). E, cá entre nós, o fato de ter uma OS, formada por uma instituição particular de ensino, não significa que haja preocupação verdadeira em melhorar o ensino público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.