Professora Geli pode disputar a Prefeitura de Anápolis pelo PT

Se Antônio Gomide desistir, por receio de perder para Roberto Naves, a vereadora estaria disposta a pôr seu nome no jogo

O deputado estadual Antônio Gomide teve um tumor retirado do rosto, recentemente, e ficou com uma ligeira sequela. Na semana passada, ele estava em São Paulo, com o objetivo de fazer uma cirurgia estética — reparadora. O objetivo é “levantar” um pouco os lábios para não ficarem caídos. O fato é que o problema mexeu com a estima do indivíduo, não, claro, a ponto de ele desistir da política.

Professora Geli: um dos nomes fortes do PT em Anápolis | Foto: Reprodução

Entretanto, se Antônio Gomide desistir da disputa, optando por ficar na Assembleia Legislativa — ele teme uma derrota política por causa da poderosa coalisão que se formou para apoiar o prefeito Roberto Naves, do PP —, a vereadora Maria Geli Sanches, de 59 anos, conhecida como Professora Geli, pode colocar seu bloco na rua e disputar a eleição.

Formada em Pedagogia e em Direito, mestre aposentada, Professora Geli é articulada e, com o “sumiço” de Antônio Gomide, é a política do PT em Anápolis que mantém mais contato com a sociedade civil.

Temendo o rolo compressor dos irmãos Antônio Gomide e Rubens Otoni, deputado federal — são inimigos pessoais, mas aliados políticos —, Professora Geli não se manifesta de maneira aberta. Mas, na Câmara Municipal, vereadores dizem que, se o PT abrir espaço, ela disputa mandato de prefeita. “O PT em Anápolis é machista e nunca permitiu que uma mulher seja candidata a prefeita. Parece que só uma família tem direito de disputar mandato pelo PT — quando não é Rubens Otoni, o mais velho, é Antônio Roberto. Eles não são apenas membros — são donos do PT no município”, afirma um vereador que mantém bom relacionamento pessoal com Professora Geli.

Antônio Gomide: pré-candidato do PT em Anápolis | Foto: arquivo

“Por que Professora Geli serve para disputar mandato de senadora, mas não serve para disputar a Prefeitura de Anápolis?”, pergunta o vereador. “Veja. Há a história de servidores fantasmas na Câmara Municipal. A vereadora do PT está envolvida? Não. Antônio Roberto precisa abrir espaço para o novo, para a mudança. Como vai falar em mudança na campanha se não aceita mudança no próprio partido?” O vereador afirma que, apesar das críticas, sempre manteve relacionamento cordial com o ex-prefeito, que ele chama sempre de “Antônio Roberto”, e não de Antônio Gomide. “Gosto dele. Mas o Antônio Roberto não abre espaço para ninguém e avalia que todo mundo precisa dele. É sério, mas é arrogante, e até autoritário, parece uma alemaozão.”

Uma resposta para “Professora Geli pode disputar a Prefeitura de Anápolis pelo PT”

  1. Maria Gilvanete Rodrigues disse:

    Depois de aceitar o absurdo dos mais de 25.000,00 ? Meu voto não terá! Foi decepcionante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.