Os que riram em 2018 pode acabar tendo de chorar em 2020

Fotos: reprodução

Prefeitos goianos — como Iris Rezende (MDB), de Goiânia, Zé Antônio (PTB), de Itumbiara, e Paulo do Vale (MDB), de Rio Verde — estão preocupados. Porque sabem que devem ser as próximas vítimas do “terremoto” que varreu a política goiana na eleição de 2018.

A julgar pelo humor do eleitor, um acerto de contas brutal será feito com os prefeitos que, afora uma publicidade exagerada, trabalham pouco. Em 2022. Daqui a um ano e dez meses — um pulinho.