O político e gestor é responsável pela capital ter um aspecto mais bonito e civilizado

Professor Nion Albernaz é presidente de honra do PSDB | Foto: Henrique de Paula

Goiânia não é uma pessoa, mas parece. Se pudesse, diria, agradecida, ao Professor Nion Albernaz, talvez o melhor prefeito da história da cidade: “Obrigado”.

Não se pode dizer que Nion Albernaz inventou a roda, mas pode, na verdade, tê-la reinventado, no sentido de que formulou ou reformulou duas coisas sobre a capital de Goiás.

Primeiro, depois de suas gestões, Goiânia se tornou uma cidade mais arborizada e, também, com vários canteiros de flores (no início, as pessoas arrancavam mudas, não entendiam direito que as flores eram, além do embelezamento em si e do fator ambiental, uma forma de suavizar a dureza do concreto das ruas). Não à toa a imprensa do país passou arrolá-la como uma das mais bonitas do país.

Segundo, por entender a importância do planejamento e as filigranas do município que administrava, Nion Albernaz investiu pesado na melhoria dos serviços da prefeitura. O prefeito sabe, como poucos, o que é preciso para requalificar uma cidade.

Por fim, é preciso falar a respeito do intelectual. O Professor, com P maiúsculo, é um grande leitor. Mas não um leitor para ostentação. Sim, ele também pode ser incluído entre aqueles que leem por prazer. Mas Nion Albernaz se interessa, acima de tudo, em entender o mundo, o país, o Estado e a cidade em que vive. Ele pode discorrer, durante longo tempo, sobre a Revolução Francesa e, até, sobre física quântica. Sem cansar o leitor, dada sua paixão pelos temas abordados.

Recentemente, Nion Albernaz esteve internado. Mas, aos 87 anos, o que se pode dizer do Professor é: viva muito mais e sempre bem para contribuir na iluminação do destino dos goianienses e dos goianos. Ele próprio é uma presença iluminista na política de Goiás — um político, diria o sociólogo alemão Max Weber, por vocação.

Depois de biografar o professor Venerando de Freitas Borges, primeiro prefeito de Goiânia, o jornalista e escritor Iúri Rincón Godinho deveria começar a pensar na biografia de Nion Albernaz, um político que merece ser chamado, de fato e de direito, de moderno e lúcido. (Euler de França Belém)