Líderes políticos que podem suceder Ronaldo Caiado a partir de 2022 ou 2026

Alexandre Baldy contribuiu para eleger um senador e dois deputados federais, o que lhe dá força na corte e na província

Arquivo

O governador eleito de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), tem 69 anos. Se fizer um bom governo, será candidato à reeleição, com chance de obter sucesso. Se reeleito em 2022, terminará o governo com 77 anos. Noutras palavras, sua vitória na disputa de 2018 abre as portas para a renovação da política em Goiás — em 2022 ou em 2026.

Como a vitória de Ronaldo Caiado foi acachapante, seguida de uma derrota estrondosa do grupo do ex-governador Marconi Perillo, a política em Goiás está inteiramente aberta para novos líderes. Sobretudo àqueles que se habilitarem desde já, porque, na política, não há vazio que dure para sempre, pois logo alguém, mais arrojado, o ocupará.

Vejamos, a seguir, alguns líderes que saíram fortes desta eleição.

Mesmo sem disputar mandato eletivo, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, do PP, é um dos vitoriosos. Pri­mei­ro, porque escapou da he­catombe do tucanato. Se­gundo, porque contribuiu para a vitória de um senador, Vanderlan Cardoso, e de dois deputados federais, Adriano do Baldy (que não é seu parente, mas adotou o sobrenome, que é visto como forte) e Professor Alcides Ribeiro. Os três são do PP. A outra facção do PP, a do deputado Roberto Balestra, não elegeu nenhum parlamentar federal.

Um dos objetivos de Baldy é permanecer no ministério, sobretudo de um governo de Jair Bolsonaro, do PSL. É possível. Porque chega cacifado no PP por ter elegido um senador e dois deputados federais.

Eleito senador, aos 56 anos, Vanderlan Cardoso é um fato novo tanto para a eleição de prefeito de Goiânia em 2020 quanto para o governo em 2022.

Mesmo tendo sido derrotado, se continuar no comando do MDB, Daniel Vilela permanece cacifado para novas disputas. Assim como Francisco Júnior, eleito deputado federal e, desde já, pré-candidato a prefeito de Goiânia, no pleito de 2020.

O PT aparece com pelos três nomes. A deputada estadual Adriana Accorsi foi reeleita, com a maior votação entre os petistas. Antônio Gomide, eleito deputado estadual, foi muito bem votado e tende a disputar a Prefeitura de Aná­polis em 2020. Kátia Maria brilhou como candidata a governadora, com discurso afiado. Flávia Morais, do PDT, é outro nome que se coloca, pois foi a segunda deputada federal mais bem votada deste pleito.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.