Kajuru pode disputar Presidência contra Luciano Hulk, Doria e Bolsonaro

O senador alega que seu foco é o Senado, mas está fazendo política para o país. Elias Vaz garante que vai disputar o governo de Goiás

Jorge Kajuru, senador: um dos políticos de mais destaque no país | Foto: Senado

Sim, 2022 está longe — até muito longe. Mas não para políticos, que começam a articular cedo. Tanto que Luciano Huck, objeto de desejo de vários partidos, começa a articular na sociedade, abrindo diálogo com setores organizados. O apresentador da TV Globo está sondando especialistas sobre como se apresentar aos eleitores — dada a desconfiança generalizada — na disputa pela Presidência da República.

João Doria, quando era prefeito de São Paulo, comportava-se como pré-candidato a presidente da República e a governador. Agora, como governador de São Paulo — o “país” mais rico da América do Sul —, comporta-se como pré-candidato a presidente, sugerindo que, em política, só há tarde — nunca cedo.

Luciano Huck que disputar a Presidência da República em 2022 | Foto: Reproduçãol

O presidente Jair Bolsonaro, do PSL, costuma sugerir que não pretende disputar a reeleição. Mas, se estiver bem avaliado, certamente será candidato. Porque, do seu grupo, é o mais popular. Os militares são articulados e têm experiência, mas, como não são populistas, não têm votos. Portanto, precisam de Bolsonaro. Do grupo do presidente, o único de fato popular é o ministro da Justiça, Sergio Moro, visto como incorruptível. Portanto, se não for Bolsonaro, certamente Moro entrará na disputa.

João Doria (a direita, tendo ao lado o goiano Alexandre Baldy): articula para ser candidato a presidente da República | Foto: Divulgação

A surpresa pode ser um paulista que adotou Goiás como sua terra. Trata-se do senador e jornalista Jorge Kajuru. Político hábil, sem papas na língua, o líder do PSB chegou ao Senado e, em pouco tempo, conquistou a confiança de vários senadores — inclusive do sisudo Tasso Jereissati (PSDB) — e dialoga com a maioria deles, como Randolfe Rodrigues e José Antônio Reguffe. Onde ele está logo forma-se uma rodinha para ouvi-lo falar sobre vários temas, como política, saúde (articulou do nada um hospital do diabético que funciona em Goiânia e que os senadores querem conhecer) e, até, futebol (ele evita o tema, mas as pessoas perguntam a respeito).

Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão: como os militares não têm outro nome, o presidente deve ir à reeleição em 2022 | Foto: Reprodução

Ao eleger o ministro Gilmar Mendes como sparring preferencial e João Doria como sparring secundário — o senador o denomina de “xumbrega” (quer dizer, “desprezível”) —, Kajuru chamou a atenção do país. Nas redes sociais, é tratado como um príncipe que, em 2022, pode se tornar rei.

Pesquisas sérias — e até as indecentes — sinalizam que Kajuru é o favorito para a Prefeitura de Goiânia, em 2020, liderando com folga, com o deputado federal Delegado Waldir Soares, do PSL, Maguito Vilela, do MDB, e o senador Vanderlan Cardoso, do PP, aparecendo em seguida. Depois, apesar do desgaste intenso, surge o prefeito Iris Rezende, do MDB, ao lado dos deputados federais Francisco Júnior, do PSD, e Elias Vaz, do PSB. Kajuru já avisou, aos quatro cantos de Goiânia, que não será candidato a prefeito. Mas, segundo Elias Vaz — que será o candidato a prefeito apoiado pelo senador —, Kajuru será candidato a governador em 2022, “contra qualquer um”, inclusive o governador Ronaldo Caiado, do DEM, do qual é amigo.

Sergio Moro, ministro da Justiça, pode ser uma aposta do grupo de Jair Bolsonaro para a disputa de 2022 (mas é cotado para o STF) |Foto: reprodução

Mas em Brasília, sobretudo depois do enfrentamento visceral e intimorato contra Gilmar Mendes e João Doria, especula-se que Jorge Kajuru será candidato a presidente da República. Ele quer? Nem discute o assunto, pois está focado no seu mandato de senador. Mas é uma hipótese que não se deve descartar. Porque, se estiver popular em 2022, como está em 2019, o PSB possivelmente vai lutar para bancá-lo para presidente. Como terá cumprido quatro anos de mandato de senador em 2022, tendo mais quatro anos pela frente, se disputar a Presidência e perder, na prática, não perderá nada, pois se tornará conhecido, o que poderá facilitar sua reeleição em 2026.

Não se espanta cavalo arreado parado na porta, e Elias Vaz, seu mais fiel aliado, garante que Kajuru será candidato, em 2022, a governador (Ronaldo Caiado teria lhe dito que não disputará a reeleição, e sim a Presidência da República). Como os dados só começam a ser lançados, não se pode descartar a possibilidade de o senador optar pela eleição presidencial.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.