Kajuru e Waldir influenciam positivamente e Iris Rezende influencia negativamente em Goiânia

Eleitores sugerem que não apoiam candidato bancado pelo prefeito. A exceção pode ser Maguito Vilela

Jorge Kajuru, senador, e Delegado Waldir Soares, deputado federal | Foto: Reproduções

Os melhores institutos não estão fazendo pesquisas no momento e alegam que, dados os custos financeiros, os políticos estão esperando o início do próximo ano. Mesmo assim, consideram que, neste momento, já era preciso fazer pesquisas qualitativas — que são as mais caras e, ao mesmo tempo, as mais relevantes. Mas partidos e políticos mais abonados começam a pesquisar os humores do eleitorado — dando preferência ao que chamam de levantamentos “semi-qualitativos”. Eles ponderam que a eleição para prefeito em 2020 será realizada daqui a um ano, quatro meses e 18 dias. A desincompatibilização dos agentes públicos que queiram disputar o pleito deverá ser feita daqui a 10 meses. Como o processo eleitoral é curto — 45 dias — marqueteiros, pesquisadores e políticos experimentados recomendam aos recalcitrantes que está passando da hora de se fazer pesquisa.

Há quadros que parecem fixos de uma pesquisa para a outra. Por exemplo: o goianiense respeita mas cansou-se do prefeito Iris Rezende, do MDB. Por isso avalia que deve ceder o espaço para alguém mais jovem e, sobretudo, atento às novas reivindicações dos eleitores. O que se diz, entre os eleitores de classe média, sobretudo mas não só, é que a obsessão do alcaide por asfalto e viadutos não responde mais às demandas modernas da cidade. Nas pesquisas, os eleitores sublinham que o emedebista não proporciona interação tecnológica entre moradores da cidade e não criou um sistema moderno de semáforos inteligentes. Eles falam também que o gestor municipal não cuida da saúde básica dos habitantes da capital.

Iris Rezende, prefeito de Goiânia, e Maguito Vilela, ex-prefeito de Aparecida de Goiânia. O primeiro está mal. O segundo está bem | Foto: Jornal Opção

Na pergunta sobre “transferência de voto”, parte significativa dos eleitores diz que não apoia nenhum candidato apoiado por Iris Rezende. Exceto se o postulante for Maguito Vilela — cujo recall positivo tem a ver com o fato de ter administrado Aparecida de Goiânia recentemente. Por que Maguito e não, por exemplo, Agenor Mariano? Porque Maguito Vilela é visto, aparentemente, como uma personalidade que sobrevive sem o “oxigênio” de Iris Rezende? O secretário, ao contrário, só existe, em termos políticos, se usar o “oxigênio” do prefeito.

Se Iris Rezende não transfere votos, com seus 60 anos de vida política, há pelo menos dois políticos — o senador Jorge Kajuru e o deputado federal Waldir Soares — que reforçam aqueles políticos que apoiam.

Pesquisas quantitativas mostram que, se as eleições fossem realizadas hoje, os favoritos seriam, pela ordem: Jorge Kajuru, do PSB, Waldir Soares, do PSL, Maguito Vilela, do MDB, e Vanderlan Cardoso, do PP.

Vanderlan Cardoso tanto pode impulsionar Francisco Júnior quanto Elias Vaz em Goiânia

Kajuru disse ao Jornal Opção que, como não será candidato, vai apoiar a candidatura do deputado federal Elias Vaz, presidente do PSB em Goiás. Quando mencionado no levantamento qualitativo, Elias Vaz não aparece com destaque. Porém, à pergunta “Você votaria em Elias Vaz se for ele for o candidato apoiado por Kajuru?” parte dos eleitores reage positivamente. Os números de Elias Vaz melhoram quando os eleitores são informados que tem o apoio de Kajuru — o que sinaliza que o senador influencia o pleito em Goiânia.

Ronaldo Caiado, governador de Goiânia, influencia no pleito de Goiânia, mas depende do candidato | Foto: Assessoria do Governo

O deputado estadual Major Araújo, que deve ser o candidato do PSL, não aparece com destaque nas pesquisas. Entretanto, quando se informa que o tem o apoio do Delegado Waldir Soares, cresce nas pesquisas. O que prova que o deputado influencia na disputa da capital.

O governador Ronaldo Caiado (DEM) influencia positiva ou negativamente? Positivamente. Mas, segundo os eleitores, depende do candidato. Não o seguirão, por exemplo, se apoiar Iris Rezende. O goianiense considera o médico e deputado federal Zacharias Calil (DEM) um candidato “leve” e, sobretudo, preocupado com a saúde dos goianienses.

O deputado Francisco Júnior (PSD) tem o apoio do presidente do PSD, Vilmar Rocha, para disputar a Prefeitura de Goiânia. Mas o apoio do ex-deputado não transfere votos para o postulante pessedista. Porém, quando se pergunta se o apoio do senador Vanderlan Cardoso pode levá-los a mudar de ideia e a bancar Francisco Júnior, parte dos eleitores admite que sim. O líder do PP, portanto, transfere votos em Goiânia.

Uma pergunta feita a eleitores evangélicos não deixa de ser curiosa: Você votaria em Francisco Júnior, mesmo ele sendo católico? A maioria dos entrevistados disse que prefere votar num candidato evangélico, mas admite bancar o deputado do PSD. Motivo: suas bandeiras conservadoras são, no geral, as mesmas dos evangélicos.

Três pesquisas foram examinadas. Todas, conforme quem encomendou e quem as fez, contêm, obviamente, resultados preliminares. Porque, a rigor, não há candidatos definidos. Se Kajuru e Delegado Waldir Soares entrarem no páreo, como candidatos, desequilibram todo o jogo. Isto para ficar em dois casos. O MDB fica forte com Maguito Vilela e fragilizado com Iris Rezende.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dalmy Pedro

Kajuru, o dono da língua mais FERINA do BRASIL !!…mas precisa provar as coisas que fala hein, se não o povo enche o saco de escutar baboseiras… e resultado de trabalho mesmo, a gente não vê nenhum !!