O sócio de um dos mais poderosos grupos empresariais do Brasil repassou ao menos 150 milhões de dólares para o PT de Lula da Silva e Dilma Rousseff

Joesley Batista durante depoimento à PGR | Foto: Reprodução

Em Brasília, comenta-se que o maior tesoureiro da história do PT não foi nem Delúbio Soares nem João Vaccari Neto, e sim o poderoso chefão da JBS-Friboi, Joesley Batista.

É provável que, apesar de as histórias serem explosivas, Joesley Batista só está mostrando a ponta do iceberg. O empresário informa que uma conta na Suíça, em benefício dos ex-presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, tinha 150 milhões de dólares — quase meio bilhão de reais.

No Rio de Janeiro, funcionários do BNDES, em tom mais verdadeiro do que jocoso, costumam chamar o banco de “BNDES da JBS”. A influência da família no banco, como se um de seus integrantes fosse seu presidente, escandalizava os servidores decentes. A família Batista praticamente privatizou o banco.