O grupo JBS, dirigido por Joesley e Wesley Batista, tentou adquirir a Celg sugerindo que obteria um empréstimo do BNDES. Consta que fez pressões pouco católicas, mas felizmente, para os goianos, não conseguiu entrar pela porta dos fundos.

A Enel pelo menos, espera-se, é uma empresa equilibrada.