Iristas dizem que há obstáculos quase intransponíveis no caminho de Daniel Vilela

Emedebistas sugerem que as bases preferem muito mais a candidatura de Maguito Vilela a governador

O Jornal Opção ouviu dois iristas que não são contrários à candidatura de Daniel Vilela ao governo de Goiás. Eles não são caiadistas; a rigor, não têm simpatia pelo pré-candidato do DEM a governador, Ronaldo Caiado. Mas apontam o que chamam de “pedras no caminho” do deputado federal que é presidente o MDB. Ambos preferem não se identificar, tanto para evitar problemas com Iris Rezende — que, sim, prefere a candidatura do presidente do DEM, embora avalie que não deve dizer isto publicamente — quanto com o jovem emedebista.

Os problemas:

“1 — Daniel Vilela apresenta-se como postulante ao governo de Goiás, mas seus próprios aliados avaliam que seu pai, Maguito Vilela, é um candidato mais consistente e agregador. Se o candidato fosse Maguito Vilela, o senador Ronaldo Caiado dificilmente teria se apresentado como candidato;

“2 — Embora presidente do MDB, Daniel Vilela está isolado no seu próprio partido. Os principais prefeitos, como Adib Elias, de Catalão, Paulo do Vale, de Rio Verde, Renato de Castro, de Goianésia, e Ernesto Roller, de Formosa, preferem apoiar a candidatura de Ronaldo Caiado. Com a casa dividida, não é fácil uma candidatura deslanchar;

“3 — Numa campanha difícil, com três candidatos, uma das prioridades é agregar partidos. Daniel Vilela praticamente só tem o apoio de parte do MDB. Há a possibilidade de que o PRP o apoie, mas, ainda assim, não é certo. Jorcelino Braga tem dito que prefere uma aliança das oposições;

“4 — Ao articular com presidentes do PSD e do PP em Goiás, Daniel Vilela parece não ter percebido que o controle de fato dos partidos, de suas bases, está com os deputados federais;

“5 — Para piorar o quadro, Daniel Vilela não sobe nas pesquisas de intenção de voto, e Ronaldo Caiado permanece em primeiro lugar, e bem na frente.”

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.