Governo retoma concessão da BR-153 da Galvão e prepara nova licitação

O presidente Michel Temer declarou “a caducidade da concessão de titularidade da Concessionária de Rodovias Galvão” na BR-153. Wilder Morais articulou a “vitória”

Duplicação da BR-153 facilita o transporte e aumenta a segurança

A Casa Civil da Presidência da República oficializou na quarta-feira, 16, em seu site (presidencia.gov.br, aba Legislação) o decreto de ontem que “declara a caducidade da concessão de titularidade da Concessionária de Rodovias Galvão” na BR 153, ligando Goiás ao Tocantins. “Foi uma vitória”, disse o senador Wilder Morais (PP), um dos que batalharam para resolver o problema.

Wilder Morais, senador do PP, defendeu caducidade da concessão para a Galvão e retomada das obras de duplicação | Fernando Leite/Jornal Opção

A Queiroz, em leilão ainda no governo de Dilma Rousseff, arrematou os 624,8 quilômetros ligando Anápolis a Aliança do Tocantins. Investiria cerca de 5 bilhões de reais na duplicação e modernização da rodovia e, em troca, cobraria pedágio. Mas havia um lava-a-jato no meio do caminho… Atolada até o pescoço na Operação Lava Jato, a Queiroz afundou e levou junto o sonho dos moradores do Norte do Estado, além de todos que trafegam pela 153.

O decreto foi um alívio até para a própria Galvão. Um funcionário diz que a empresa, mesmo em dificuldade, estava gastando “milhões em reparos, sem arrecadar nada”, no trecho sob sua responsabilidade. A Goiás os custos foram maiores: em vidas. São diários os acidentes com mortes, sobretudo no trecho entre Rialma e Porangatu. Economicamente também é um estrago, pois encarece os fretes.

“Fomos à ANTT e ao próprio presidente da República pedir uma solução e, mais de uma vez, o presidente Michel Temer garantiu providências e elas vieram”, conta Wilder. A Agência Nacional de Transportes Terrestres já havia aberto processo para caducar o contrato com a empreiteira. Além de Wilder, o governador Marconi Perillo, o vice-governador José Éliton e outros parlamentares lutaram bastante em busca de uma saída. “A BR 153 é vital não apenas para Goiás”, analisa Wilder. “Ela é fundamental para a nação. Fique olhando as placas… Tem caminhão do País todo, trazendo e levando cargas para o Norte, o Sudeste e o Sul do Brasil”.

Em reunião com prefeitos em Uruaçu há poucos dias, durante a passagem da comitiva do programa Goiás na Frente, a duplicação da BR era item de demanda da maioria dos prefeitos do Norte do Estado. Presente ao evento, Wilder narrou a tragédia envolvendo um funcionário de uma de suas empresas, morto em acidente de carro na velha Belém-Brasília. Ele é apenas um: milhares famílias esperam, em luto, pela duplicação da rodovia.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antonio Carlos Pereira do *Amaral

É muito significativo pro País essa duplicação que está atrasado em média de 15 anos, mas já tem uma data pra iniciar?

Antonio Carlos Pereira do *Amaral

Vejo que a BR153/BR010 de 2.080 km de extensão , pelo menos 1.970 são de auto risco devido seu movimento ser o mesmo em todos os horários.