Oito empresas estão interessadas na aquisição da Celg. A Edesa, que gere a usina de Cachoeira Dourada, seria uma delas. A companhia, propriedade da Eletrobrás (51%) e do governo de Goiás (49%), vale, segundo avaliações preliminares, de 6 bilhões a 8 bilhões de reais. Se receber 3 bilhões, o governo goiano terá de pagar empréstimo de 1 bilhão para a Caixa Econômica Federal.

Se assumir o empréstimo, o governo de Goiás poderá pagá-lo parceladamente, e não de uma só vez. Assim, poderá usar o dinheiro da venda da Celg para aplicar no desenvolvimento de Goiás.