“A economia vai derrotar Dilma Rousseff para presidente”, diz o economista Valdivino Oliveira

Valdivino Oliveira: “Expansão da desindustrialização vai gerar mais desemprego e Dilma pode perder” | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Valdivino Oliveira: “Expansão da desindustrialização vai gerar mais desemprego e Dilma pode perder” | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O tucano Valdivino Oliveira, candidato a deputado federal, afirma que a economia tende a derrotar a presidente Dilma Rousseff. “O país não cresce, não há consumo suficiente para alavancar a expansão econômica e os empresários não se sentem motivados a investir. A China e a Rússia investem 26% do PIB. O Brasil investe menos de 18%.”

Quando diz que a crise deriva de problemas externos, Dilma, embora seja economista, “demonstra desconhecer como funciona efetivamente a economia. A presidente tem de resolver os gargalos internos, como investir com mais qualidade e velocidade na recuperação e expansão da infraestrutura do país. Os portos terão sua capacidade esgotada até 2015, segundo um levantamento. Se é assim, como o empresário brasileiro vai exportar?”

A retomada da inflação, afirma Valdivino, é um problema interno. “O Brasil passou o teto da meta de 4 a 6,5%. A inflação está superando 6,5% e está ficando inadministrável. Eu dizia que o país não iria crescer mais de 1,5% em 2014. Agora, os especialistas falam em menos de 1%.

Endividado, o brasileiro está consumindo menos. A política cambial e fiscal facilita as importações. E aí se tem a desindustrialização e, consequentemente, desemprego”.
Valdivino frisa que a tendência, cada vez maior, é o Brasil exportar menos bens manufaturados. “Para piorar a situação, o governo petista gasta muito e mal.”

Por que, apesar da crise nacional, Goiás cresce mais do que a média nacional. “Porque o Estado tem incentivos fiscais. Portanto, atrai empresas e gera empregos. A guerra fiscal, ao contrário do que costumam dizer políticos de São Paulo, gera competitividade, crescimento e desenvolvimento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.