Caiado e Marconi vão disputar aliança com o PMDB tendo em vista a eleição para o governo em 2018

Arquivo

Arquivo

Em 2018, daqui a dois anos, quatro meses e alguns dias, o PMDB vai completar 20 anos fora do poder. O partido continua forte, mas com perspectivas de poder cada vez mais reduzidas, sobretudo por falta de renovação na cúpula. Hoje, há o nome de seu presidente, Daniel Vilela, mas ainda relativamente inexperiente. Tanto que há a dúvida: afinal, Daniel Vilela vai mesmo disputar o governo de Goiás em 2018 ou está criando uma cortina de fumaça para preparar, no final, a área para seu pai, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, disputar a eleição? Por que, se Daniel Vilela é o novo, bancar Maguito Vilela, mesmo depois de este ter perdido duas eleições para governador, uma para Marconi Perillo, do PSDB, e outra para Alcides Rodrigues, então (2006) no PP? A tese é que, por ser experiente, o prefeito agrega mais e seria uma resposta à altura ao senador Ronaldo Caiado, do DEM.

O fato é que, com certa sutileza e ainda de maneira titubeante, os jogos estão sendo montados. Na prática, sem que se diga claramente, o PMDB começa a ser disputado tanto pelo governador de Goiás, Marconi Perillo, quanto por Ronaldo Caiado. O líder do partido Democratas sabe que, embora possa até sair na frente nas pesquisas, precisa da estrutura política do PMDB, espraiada por todo o Estado e influente nas grandes cidades, como Goiânia, Aparecida de Goiânia e Jataí, para citar apenas três, para consolidar-se e tornar sua candidatura consistente e palatável. Sozinho, esbarrará no seu tradicional teto, pouco mais de 30% dos votos, talvez, e não se elegerá. Em busca do governo, Ronaldo Caiado pode oferecer a vice e duas vagas no Senado para o PMDB. Parece muito, mas num país em que o Executivo é hipertrofiado, é visto como pouco. Todos querem o governo, o poder de mando. Isto significa que o PMDB, apesar de ter apreço pelo senador, vai buscar lançar seu próprio candidato e, mesmo, vai trabalhar para obter o apoio do democrata.

Está é uma face da questão. Há outro polo, articulado por um político que é uma verdadeira águia, Marconi Perillo. O tucano-chefe percebe, pelos dados e pela luta de suas várias disputas, que está cada vez mais difícil eleger o governador pela base aliada. Mesmo bons governantes, depois de certo tempo, podem perder eleições. Dotado de rara perspicácia, e sempre munido de pesquisas qualitativas e quantitativas, que examina com percuciência, entendeu que é preciso interferir no jogo, e agora. Não vai esperar 2018. Por isso tende a disputar o PMDB com Ronaldo Caiado, para reformatar não apenas sua base, mas a política do Estado. Aproximou-se de Maguito Vilela, com quem mantém um diálogo respeitoso, e tentou se aproximar de Iris Rezende. É uma operação política para o presente, mas jogando o futuro — 2018. Observe-se que o prefeito de Jataí, Humberto Machado, pode ser atraído tanto para o governo quanto para o PSDB. É parte da remontagem da base. Vanderlan Cardoso, na base, é um fato novo. Mas o objeto do desejo é mesmo o PMDB… Sem o PMDB, Ro­naldo Caiado praticamente fica fora do jogo. Já, com o PMDB, Marconi amplia a possibilidade de seu grupo ficar mais tempo no poder. É uma tentativa, inteligente, de garantir a continuidade no poder. O político longevo, em termos de poder, pensa para além da circunstância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.