Advogado diz que irismo está movendo perseguição pessoal a Júnior Friboi

robledo

Robledo Rezende disse que o irismo, ao tentar expulsar Friboi, esquece a história de Iris

 

O empresário Júnior Friboi está reestruturando o frigorífico Matoboi, que comprou recentemente, e visitando as fazendas recém-adquiridas, como uma em Andradina. Na sexta-feira, 8, um de seus advogados, Robledo Rezende, filiado ao PMDB, disse que o irismo, ao tentar expulsar Friboi, esquece a história de Iris Rezende. “Iris subiu no palanque de Luiz do Gote, candidato a prefeito de Porangatu pelo PDS, contra João Gonçalves, que era do PMDB. Ele é especialista em atrair adversários e destruir aliados. O ex-deputado Francisco Bento, testemunha de Júnior no processo promovido por Zé “do Caixão” Nelto e Iris, conhece bem a história que relato.”

Iris e José Nelto, na avaliação de Robledo, estão preocupados unicamente em expulsar Friboi porque ele tem chance de ser governador de Goiás pelo PMDB. “Vinte e seis prefeitos do PMDB subiram no palanque de Marconi Perillo, junto comigo, e a dupla não fala em nos expulsar. Por que punir só Júnior? Só pode ser medo político.”

Como está se configurando uma “perseguição pessoal”, na avaliação de Robledo, no caso de o irismo — grupo que levou o PMDB a cinco derrotas consecutivas para o governo do Estado, entre 1998 e 2014 — conseguir expulsar Friboi, o partido “implode”. “Acrescente-se que o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, e os deputados federais Pedro Chaves e Daniel Vilela são favoráveis à permanência de Júnior no PMDB.
Porque querem agregar e, por isso, ganhar o governo de Goiás. O grupo de Iris é o freguês absoluto do grupo do governador Marconi Perillo — não ganha uma. Parece que seu prazer, quem sabe masoquista, é perder para o político tucano. Insisto que Iris e ‘Zé do Caixão’ preferem continuar perdendo eleição a permitir que Júnior seja eleito governador.”

Na segunda-feira, 18, o PMDB fará “audiência” para avaliar a expulsão ou permanência de Friboi. “Iris Rezende está reinventando a Inquisição em tempo de democracia. Como se sabe, Júnior não disse que iria votar em Marconi Perillo. Ele apenas frisou que Iris Rezende era ultrapassado, o mesmo julgamento do eleitorado, e que Marconi seria reeleito, o que as urnas comprovaram. Será que é proibido dizer a verdade no PMDB? O fato é que a maioria do partido, ainda que relativamente silenciosa, quer a permanência de Júnior.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.