11 políticos que usam 2016 como preliminar para a disputa eleitoral de 2018

A eleição para prefeito formata a base política, em todo o Estado, para a eleição seguinte — de deputado, senador e governador. Por isso, vários políticos estão usando, sem nenhum pudor, a disputa de 2016 para iniciar a formatação de seus projetos para 2018. A seguir, uma lista mínima de políticos que conectam as duas eleições.

marconi-perillo-foto-facebook

Marconi Perillo — O tucano-chefe não pensa não apenas num projeto pessoal — até porque, se não for candidato no plano nacional, deverá se eleger com facilidade para o Senado —, e sim em salvar sua base política, que não tem a mesma compreensão política. Ele está buscando, mais do que manter a atual base política, ampliá-la, com a incorporação de novos personagens. Porque sabe que precisa renovar seu grupo.

 

Senadora Lúcia Vânia | Foto: George Gianni

Senadora Lúcia Vânia | Foto: George Gianni

 

Lúcia Vânia — A senadora nunca articulou tanto quanto em 2016. Porque, ao assumir a presidência do PSB, ganhou mais musculatura política, tornando-se mais sujeito de suas articulações. Ela pretende disputar a reeleição em 2018, é seu projeto número um. Mas pode disputar o governo, sobretudo se Vanderlan Cardoso for eleito prefeito de Goiânia.

 

 

wilder

Wilder Morais — O senador do PP parece, à primeira vista, uma galinha morta. Mas colou no governador Marconi Perillo e o ajudou a formatar alianças complicadas em várias cidades. Em Aparecida de Goiânia, retirou seu candidato, Silvio Benedito, e o pôs como vice do candidato tucano. Tem dinheiro e está mostrando que é menos amador do que parece. Vai disputar a reeleição ou será suplente de Marconi.

 

Vilmar Rocha editada

 

Vilmar Rocha — O presidente do PSD parece rebelado com o governador Marconi Perillo. Na verdade, não está, e ambos se respeitam. Ele está fazendo o mesmo que os outros: como controla um partido, está jogando para 2018, quando pretende disputar o Senado.

 

thiago-peixoto-foto-fernando-leite-jornal-opcao

 

Thiago Peixoto — O deputado do PSD articula seu jogo com mestria. Vai para a reeleição e está remontando sua base. Se sobrar um boquinha, pode disputar o governo ou então a vice de José Eliton.

 

magda-mofatto-camara-deputados

 

Magda Mofatto — A deputada federal do PR articula em vários municípios, com o objetivo de constituir uma base eleitoral para disputar mandato de senadora. Se perder em Goiânia e Caldas Novas, “mofará” na Câmara dos Deputados.

 

jose-eliton-foto-SSPAP

 

José Eliton — Agindo com discrição, o vice-governador e secretário da Segurança Pública (sua avaliação é positiva, sobretudo porque é visto como “presente” e “ativo”) contribui para a reformatação da base em todo o Estado. Seu objetivo, claro, é disputar a eleição para governador em 2018.

 

ronaldo_caiado (6)

 

Ronaldo Caiado — O senador do DEM grudou no PMDB. Há quem no PMDB avalie que exige demais e que o DEM não tem estrutura alguma. Mas a estrutura do DEM é o próprio Caiado, que planeja disputar o governo em 2018, com o apoio do PMDB.

 

daniel-vilela-foto-andre-lima-camara-federalDaniel Vilela — O deputado federal e presidente do PMDB articula com volúpia em todo o Estado. Tem sido visto como um líder presente e firme, ainda que, aqui e ali, desagrade alguns aliados. Seu projeto para 2018 é a disputa do governo. Por isso, colidiu com Ronaldo Caiado em Anápolis. Nesta cidade, o senador do DEM queria o apoio do PMDB para seu candidato a prefeito, Pedro Canedo, mas o peemedebista emplacou Eli Rosa como vice do prefeito petista João Gomes.

maguito_vilela (7)Maguito Vilela — Embora seja mais silencioso e mais flexível do que seu filho, Daniel Vilela, o prefeito de Aparecida de Goiânia costura alianças na cidade que administra e noutros municípios, como Jataí, onde emplacou como candidato o empresário Victor Priori (DEM), contra a vontade do enfraquecido prefeito Humberto Machado. Aos aliados afirma que seu projeto é fortalecer o projeto de Daniel. Mas há quem acredite que pretenda disputar o governo do Estado como líder de uma ampla aliança, e, se possível, com o apoio até do tucanato.

 

oooo

 

Jovair Arantes — Se for eleito presidente da Câmara dos Deputados, para o biênio 2017-2018, o líder do PTB possivelmente vai disputar mandato de senador, encaminhando seu filho, Henrique Arantes, para a disputa de mandato de deputado federal.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.