Registro de um fato histórico

Desembargador José Carlos de Oliveira especial para o Jornal Opção

Conforme consta na obra de Hélio Rocha – Goiás no destino de JK, na remota data de 04 de abril de 1955, a cidade de Jataí teve a honra de receber o então candidato à Presidência da República Juscelino Kubitschek, que naquele dia realizou seu primeiro comício em busca do mandato de Presidente da República.

Conforme registrado por Hélio Rocha, naquela ocasião um dos presentes no referido comício, Antônio Soares Neto, conhecido por “Toniquinho”, o qual integrava a plateia, formulou uma “pergunta/provocação” à JK, nos seguintes termos:

“- O senhor disse que, se eleito presidente, irá cumprir rigorosamente a Constituição. Desejo então saber se pretende cumprir o dispositivo que determina, nas suas disposições transitórias, a mudança da capital federal para o planalto central.”

Relata, ainda, Hélio Rocha, que Juscelino ficou surpreso com a pergunta de Toniquinho, mas, sem hesitações, respondeu de pronto:

“- Acabo de prometer que cumprirei, na íntegra, a Constituição e não vejo razão para que esse dispositivo seja ignorado. Se for eleito, construirei, sim, a nova capital e farei a mudança da sede do governo.”

Registra o escritor Hélio Rocha que os aplausos ressoaram e em seguida à resposta, e assim, aquela plateia estava tendo o privilégio de tomar conhecimento, em primeira mão, de uma das decisões mais importantes da história republicana.

Ressalto que naquele dia e momento, estava eu, na companhia de meu pai, José Francisco de Oliveira, um “pessedista raiz” presentes naquele evento. Portanto, um dos privilegiados em testemunhar um fato histórico de tamanha envergadura.

Mas, a roda do tempo não para, e agora passados quase 67 anos, eis-me novamente na condição de privilegiado, haja vista, que designado pelo Desembargador Carlos Alberto França, presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, para representá-lo, compareci no último dia 04, no Museu Memorial JK, na cidade de Jataí, quando do lançamento da
importantíssima obra/legado histórico e cultural da lavra de Hélio Rocha.

Retrocedi no tempo e fui tomado por uma singular emoção pela oportunidade deste segundo privilégio, e, sobretudo, pela permissão de Deus de ainda poder testemunhar o curso perene da história.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.