O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta quarta-feira, 8, o quarto prognóstico de área e produção para a safra de 2023 em Goiás. De acordo com o levantamento, realizado em janeiro, a estimativa da área plantada é de 7,52 milhões de hectares. O percentual é de 0,5% superior à área plantada na safra 2022, cifra recorde na pesquisa, com 7,48 milhões de hectares. 

A análise aponta que os cereais, leguminosas e oleaginosas respondem por 86,7% do total desta área no estado, que corresponde a 6,52 milhões de hectares. O crescimento da área a ser colhida do grupo foi de 0,6% em relação à safra do ano anterior, de 6,48 milhões de hectares, também recorde na série histórica da pesquisa. 

O prognóstico mostra que Goiás ocupa a quarta posição, entre as unidades da Federação, de maior produtor nacional de grãos, com o percentual de 9,2%. Nas primeiras posições estão os estados do Mato Grosso, com 29,3%, Paraná, com 14,9%, e Rio Grande do Sul, com 13%. 

O levantamento estima ainda que Goiás seja o quarto maior produtor nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, com crescimento histórico na área plantada devido à previsão de aumento de 39,3 mil hectares a mais em 2023 na cultura de soja, que supera pela primeira vez no estado a marca dos 4 milhões de hectares de área plantada.

Outra importante cultura para o estado e para o país, a 2ª Safra do Milho também poderá, de acordo com a análise, contribuir para o aumento da área plantada, com uma área de 1.738 mil hectares, 6,7 mil a mais que a 2ª safra de 2022, onde o número de hectares foi de 1.730 mil.

Dentre o grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas em Goiás, o prognóstico prevê, ainda, os crescimentos nas áreas de algodão herbáceo, com 1,8%, arroz, com 0,9%, feijão 2ª safra, com 1,0%, girassol, com 3,3%, e sorgo, com 0,2%.