O deputado estadual Lucas do Vale (MDB), coordenador da Frente Parlamentar do Agronegócio e da Infraestrutura em Goiás, emitiu sua posição sobre o Plano Safra 2023/2024, anunciado pelo governo federal na terça-feira, 27, após diálogo com representantes das cadeias produtivas:

“Destaco a importância de desenvolver uma política agropecuária estruturada, visando um agronegócio eficiente e competitivo, para que planos anuais paliativos se tornem desnecessários no futuro. O setor demonstrou sua resiliência e capacidade de crescimento, contribuindo para o PIB brasileiro e sustentando a economia durante a crise pandêmica.

Reconhecemos os esforços do governo federal ao destinar R$ 364,22 bilhões aos médios e grandes produtores, além de outros R$ 77 bilhões para a agricultura familiar, proporcionando igualdade de taxas de juros, modernização, crédito e inovação. Destaca-se também o estímulo a práticas sustentáveis, que já são padrão no setor, com redução de taxas para recuperação de pastagens e incentivos para práticas agropecuárias sustentáveis.

Pontos como a necessidade de aprovação do CAR [Cadastro Ambiental Rural] para redução na taxa de juros e a alocação de recursos insuficientes para estruturas de armazenamento merecem atenção e aprimoramento. A análise do CAR por órgãos governamentais tem gerado dificuldades, podendo prejudicar milhares de produtores. Além disso, os recursos destinados ao Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) são burocráticos e insuficientes para atender às demandas, especialmente dos produtores de soja.

Mantemos o otimismo com a união de esforços para fortalecer o agronegócio, não apenas por meio do Plano Safra do governo federal, mas também por iniciativas estaduais e investimentos em infraestrutura. Acreditamos que, ouvindo os representantes do setor e implementando as medidas anunciadas pelos governos, colheremos benefícios em emprego, desenvolvimento socioeconômico e qualidade de vida.”