Wilder Morais confirma estudo para viabilizar nova montadora da Mitsubishi em Goiás

Futuro secretário de Indústria, Comércio e Serviços contesta afirmação do deputado Gustavo Sebba (PSDB) de que fábrica poderia fechar as portas em Catalão

Wilder Morais e representantes da Mitsubishi em reunião no dia 29 de janeiro | Foto: Divulgação

O futuro secretário de Indústria, Comércio e Serviços, Wilder Morais, vai a Catalão nesta quinta-feira, 7, acompanhado do governador Ronaldo Caiado (DEM). O objetivo da visita é se reunir com dirigentes da Mitsubishi para tentar viabilizar a implantação de mais uma unidade da montadora no Estado.

Wilder, que se reuniu nesta terça, 5, com representantes do Sindicato dos Funcionários do Fisco do Estado de Goiás (Sindifisco) e da Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás (Adial) diz que está em constante contato com sindicatos e setores organizados de cada segmento produtivo.

“Queremos entender a funcionabilidade de cada setor para garantir competitividade às indústrias que estão aqui. Essas reuniões são para que os nossos técnicos conheçam todos os setores para que não haja distorções independente de segmentos”.

Wilder não descarta novas mudanças no que trata dos incentivos fiscais e assume que a Adial ainda tem algumas restrições quanto as novas regras. “Estamos trabalhando, tudo é possível. A Adial tem algumas restrições e espero que a gente possa ajudar”.

Crise?

Gustavo Sebba | Foto: Alego

A informação dada pelo futuro secretário ao Jornal Opção contraria as declarações feitas pelo deputado Gustavo Sebba (PSDB) na semana passada de o futuro da fábrica em Goiás seria incerto.

“Eu enquanto representante único da cidade de Catalão falo em nome da comunidade que está preocupada com a Mitsubishi. Uma empresa que gera mais de 3 mil empregos diretos na cidade e está ameaçando ir embora do nosso Estado por causa dessa medida amarga”, disse no dia posse dos parlamentares ao se referir aos cortes nos incentivos fiscais.

A reportagem entrou em contato com a montadora mas ainda não obteve retorno.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.